quarta-feira, 23 de novembro de 2011

São Pedro Julião Eymard

Amor apaixonado à eucaristia
Para a glória de Deus é preciso ter uma paixão que nos domine a vida e produza os frutos necessários e desejados por Nosso Senhor. O amor só triunfa quando é em nós uma paixão vital, e esta deve ser ardentíssima em relação à Eucaristia. Pois, o que é o amor, senão o exagero?”
Fervorosas palavras de amor eucarístico, brotadas dos lábios deste novo Elias que foi São Pedro Julião Eymard, fundador dos Sacramentinos.
Um santo do qual se poderia afirmar ser uma espécie de nova edição do Profeta Elias, pelo fogo de sua alma, é São Pedro Julião Eymard, fundador dos Sacramentinos. Celebrado pela Igreja no dia 2 de agosto, dele temos os seguintes dados biográficos:
Nascido em 1881 na cidade de La Mure-d’Isére, foi artesão antes de entrar no Seminário maior. Sua família era pobre, e o pai de Pedro Julião opunha-se à vocação sacerdotal do filho. Uma primeira tentativa de chegar ao presbiterato redundou num fracasso devido a uma grave enfermidade. Sem desanimar, algum tempo depois entraria no Seminário de Grenoble, sendo ordenado sacerdote dessa diocese em 20 de julho de 1834, aos 23 anos de idade.
O jansenismo que impregnava o mundo religioso da época, considerava o ser humano como pecador e indigno diante de um Deus transcendente e perfeito. O Padre Eymard, como seminarista e jovem sacerdote foi influenciado por essa espiritualidade de reparação e teve de lutar ao longo de toda a sua vida para encontrar da perfeição interior que o poderia tornar capaz de oferecer a Deus o dom de sua pessoa.
Religioso marista e fundador dos sacramentinos
Terá sido, provavelmente, essa procura da perfeição espiritual, aliada ao desejo de realizar importantes coisas por Deus, que o conduziram à vida religiosa. Em 20 de agosto de 1839 o Pe. Eymard tornou-se membro da Congregação Marista, fazendo profissão dos votos de pobreza, castidade e obediência.
Excelente educador de jovens, São Pedro Julião Eymard distinguiu-se na congregação dos maristas como exímio organizador de associações leigas, formador devotado e um requisitado pregador, alcançando particular êxito em suas homilias sobre a devoção eucarística.
Seu intenso amor ao Santíssimo Sacramento, aliás, motivou-o a escrever uma regra eucarística para a Ordem Terceira de Maria, da qual era o diretor. O Superior Geral não a julgou conveniente, mas a ideia de tal regra estava já inscrita no espírito e no coração do Pe. Eymard.
Fascinado cada vez mais pela espiritualidade eucarística e convencido de sua necessidade para a salvação das almas, retirou-se, sem dificuldades, dos Maristas em 1856 e fundou diversas congregações: a dos Padres do Santíssimo Sacramento, das Servas do Santíssimo Sacramento, dos Padres da Adoração e a Pia União de leigos do Santíssimo Sacramento.
Dom de si mesmo
O Pe. Eymard passou pouco a pouco de uma espiritualidade de reparação para uma piedade centrada no amor de Cristo. Três anos antes de sua morte, fez um retiro em Roma onde se viu inteiramente subjugado pela força do amor de Deus em sua alma, sentindo que tão ardente caridade tomava posse inteira de sua pessoa.
Aos 57 anos, após ter adorado fervorosamente seu Senhor sob o véu das espécies eucarísticas, foi enfim chamado a vê-Lo na plenitude da luz eterna. Era o dia 1º de agosto de 1868.
Canonizado em 1962, as relíquias de São Pedro Julião Eymard são veneradas na Capela de Corpus Christi, da Congregação dos Padres do Santíssimo Sacramento, em Paris.1
Virtude abrasadora
Trata-se, portanto, do fundador de uma ordem com uma finalidade admirável: a adoração perpétua ao Santíssimo Sacramento. Ou seja, nas igrejas dos Sacramentinos, Nosso Senhor, sob a espécie eucarística, acha-se exposto continuamente à adoração dos fiéis, que afluem para render o tributo de sua devoção a Ele, seja durante o dia, seja nas horas silenciosas da noite. Assim, nas grandes e nas pequenas cidades, o Sagrado Coração de Jesus é venerado pelo menos por uma alma que ali está, ajoelhada diante d’Ele e Lhe fazendo companhia.
Pois essa inestimável devoção é fruto da piedade eucarística de São Pedro Julião Eymard. Foi,  na  verdade, um homem de virtude abrasadora, e suas eloquentes palavras sobre o amor sem limites que devemos  render a Jesus Sacramentado constituem páginas maravilhosas da espiritualidade católica, dignas de serem  analisadas.
O amor: que é, senão o exagero?
Afirma ele: A Eucaristia é a mais nobre inspiração do nosso coração. Amemo-la, pois, apaixonadamente. Dizem: mas é exagero tudo isso. Mas o que é o amor senão o exagero? Exagerar é ultrapassar além. Pois bem, o amor deve exagerar. Quem se limita ao que é absolutamente de seu dever, não ama.
 Nosso amor para ser uma paixão, deve sofrer a lei das paixões humanas. Falo das paixões honestas, naturalmente boas, pois as paixões são indiferentes em si mesmas. Nós as tornamos más, quando as dirigimos para o mal, mas só de nós depende utilizá-las para o bem.
Sem uma paixão nada se alcança. A vida carece de objetivo, arrasta-se numa vida inútil.
Nesta passagem, São Pedro Julião Eymard vai de encontro a uma concepção talvez generalizada no seu tempo, segundo a qual a verdade é uma posição responsável e adulta diante dos fatos, e exige a ausência de paixão. Ou seja, somente depois de se libertar de qualquer paixão é que o homem se torna capaz de ver, julgar e agir de modo acertado.
Ora, ele sustenta que há paixões más e boas. Estas últimas, impulsionadas pelo bem, devem conduzir a alma ao extremo do amor a Deus. Então diz: “O que é o amor senão exagerar?”. O santo não afirma que a paixão é necessariamente um exagero, e sim que o amor, continuamente, vai além do que o ambiente no tempo dele qualificava de exagero. Portanto, este exagero deve ser entendido como que entre aspas: “O que é amar, senão fazer o que vocês entendem como exagero?”
Seria, então, uma espécie de choque de São Pedro Julião Eymard contra essa lei do desapaixonamento, comum para o espírito dos seus contemporâneos.
O homem desapaixonado é um mutilado
E continua:
Pois bem, na ordem da salvação é preciso também ter uma paixão que nos domina a vida, e a faça produzir para a glória de Deus todos os frutos que o Senhor espera.
Faço notar o categórico dessa afirmação. Para que nos salvemos, é uma condição que tenhamos esse amor apaixonado. E ele corrobora, ademais, a sua tese de que para a glória de Deus é preciso ter uma paixão que nos domine a vida e produza os frutos necessários e desejados por Nosso Senhor. Portanto, essa produtividade total resulta da colaboração da paixão com as outras faculdades da alma. Isto é eminentemente humano.
Os chineses da última época da monarquia tinham um hábito terrível de cortar as pontas dos pés para se equilibrarem nos seus diminutos tamancos. É algo assustador. Pois bem, ainda mais chocante é cortar uma faculdade da alma e viver sem ela. O homem desapaixonado é um mutilado.
Palavras a serem gravadas com fogo na alma
A seguir, ele escreve:
Amai tal virtude, tal verdade, tal mistério apaixonadamente! Devotai vossas vidas, consagrai vossos pensamentos e trabalhos. Sem isso nada alcançareis jamais. Sereis apenas um assalariado e nunca uns heróis! Todo pensamento que não se termina em uma paixão, que não acaba por tornar-se uma paixão, nada de grande produzirá jamais.
O amor não transfere a ninguém as suas obrigações. O amor tudo faz por si mesmo, é a sua glória.
São afirmações esplêndidas, repassadas de veracidade. De fato, quando um católico não tem essa paixão, torna-se medíocre, preguiçoso, inerte. Desapaixonado, não produz coisa alguma. Pelo contrário, se for movido pela boa paixão, mesmo sem tempo, aceita trabalhos e obrigações, produzindo maravilhas.
Para o homem sem paixão, todo tempo é pouco para nada fazer; enquanto o homem com paixão transforma qualquer minuto numa eternidade.
Palavras de São Pedro Julião Eymard:
Ai de nós, se o amor de Jesus no Santíssimo Sacramento não nos conquistar o coração. Jesus estará vencido. Nossa ingratidão será maior que sua bondade, nossa malícia mais poderosa que sua caridade. Oh, não, meu Salvador, vossa caridade me oprime, me atormenta e me constrange.
Trata-se de um dito apaixonadíssimo, mas uma tomada de atitude lúcida, diante da realidade da frágil natureza humana decaída pelo pecado. Esta, a meu ver, seria uma frase a ser gravada com fogo nos corações, pelos rogos de Maria Santíssima, para fomentar neles esse necessário e ardente amor eucarístico.
Amor apaixonado ao Santíssimo Sacramento
Continua: Nosso Senhor quer estabelecer em nós o amor apaixonado por Ele. Toda virtude, todo pensamento que não acaba por tornar-se uma paixão, nada de grande produzirá jamais. Não é amor a afeição de uma criatura. Ela ama por instinto, porque se sente amada. O amor só triunfa quando é em nós uma paixão vital. Sem isso podem produzir-se atos isolados de amor, mais ou menos frequentes, mas a vida não é tomada, não é dada.
Ora, enquanto não tivermos por Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento um amor apaixonado, nada teremos feito.
Ele insiste na ideia do amor infrutífero, se não for movido pela paixão boa.
Parece-me interessante observar o profundo vínculo entre essa expressão de amor a Nosso Senhor Jesus Cristo sacramentado, nos lábios de São Pedro Julião Eymard, e a manifestação igualmente fervorosa de devoção à Santíssima Virgem, pregada por São Luís Grignion de  Montfort. Os dois são movidos pelo mesmo estado temperamental, a mesma paixão, a mesma piedade. A Oração Abrasada, composta por São Luís Grignion, transmite sentimentos análogos aos que nos colhem ao lermos esse texto do santo fundador dos Sacramentinos.
Essa relação estreita entre as duas devoções é algo magnífica. Ambas se baseiam em pensamentos que continuamente nos apaixonam. Assim como São Luís Grignion de Montfort desejava uma devoção ardente a Nossa Senhora, São Pedro Julião quer uma piedade apaixonada para com a Sagrada Eucaristia. Isto é fogo! Isto é uma alma eucarística, uma alma mariana.
Não temer de ser arrastado pelo amor de Jesus Eucarístico
E São Pedro Julião Eymard vai mais longe. Diz:
Tende um amor apaixonado pela Eucaristia, amai Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento com todo ardor que se ama no mundo, mas por motivos sobrenaturais. Para consegui-lo, começareis por colocar vosso espírito sobre a influência desta paixão, alimentai em vós o espírito de Fé, e persuadi-vos da verdade da Eucaristia, da verdade do amor que Nosso Senhor nela vos testemunha. Tende uma grande ideia, uma contemplação arrebatada do amor e da presença de Nosso Senhor. Assim dareis a vosso amor o fogo que alimentará a chama, o vosso amor será então constante.
Vede Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento, vede o seu amor, e que esse pensamento vos domine, vos arrebate. Por quê? Porque Nosso Senhor se abre a ponto de sempre se dar, sem jamais fatigar-se.
Considerai os santos. Seu amor os transporta, abrasa, faz sofrer, é um fogo que os consome, despende suas forças e acaba por lhes causar a morte. Morte feliz. Mas se não chegarmos todos a este ponto, ao menos podemos amar apaixonadamente Nosso Senhor, deixando que nos domine por seu amor. Há pessoas que amam até a loucura os pais, os amigos, e não sabem amar o bom Deus. O que se faz com a criatura, é o que se deve fazer com Deus. Somente ao Bom Deus é preciso amá-Lo sem medida, cada vez mais.
No juízo não serão tanto os nossos pecados que nos aterrorizarão, e nos serão censurados. Estão irrevogavelmente perdoados. Mas Nosso Senhor nos censurará por seu amor: ‘Criaturas, vós não fizestes de mim a felicidade de vossa vida?! Vós me amastes bastante para não me ofender mortalmente, mas não para viver de Mim?!’. Mas, poderíamos dizer: somos então obrigados a amar assim? Bem sei que o preceito de amar assim não se acha escrito. Não há necessidade. Nada o diz, tudo o clama! A lei está em nosso coração!
Sim, o que me aterroriza é que os cristãos pensarão de boa vontade seriamente em todos os mistérios, e votar-se-ão ao culto de algum santo, e não a Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento. Por quê? Ah, porque não se pode considerar atentamente o Santíssimo Sacramento sem dizer: é preciso que eu O ame, que vá visitá-Lo, não posso deixá-Lo sozinho, Ele me ama demais!
É um texto tão magnífico que as palavras nos fogem para comentá-lo. Comove-nos, cumula-nos de admiração e fervor. São Pedro Julião se exprime com a paixão que ele prega e recomenda. A lei desse amor está inscrita no seu próprio coração e ele a quer transmitir aos homens.
A par disso, oferece uma explicação ao mesmo tempo teológica e psicológica da razão pela qual algumas almas não se entregam como deveriam a essa devoção extrema: evitam de ir aos pés do Santíssimo Sacramento porque O sabem por demais envolvente e arrebatador. Receiam que Ele as atraia e as arraste por seu amor. Então, como que contornam essa situação ao praticarem outros atos de piedade, dando-se ao culto exclusivo desse e daquele santo, em vez de praticar a perfeita adoração ao Coração Eucarístico de Jesus.
Essas são almas que temem o exagero, contentam-se com algo menor porque temem que a graça as convide para a virtude apaixonada.
Pedir a Nossa Senhora o fervor eucarístico d’Ela
Cumpre concluir, então, que esses extraordinários pensamentos de São Pedro Julião Eymard devem produzir efeitos concretos em nossos corações, alimentando neles esse amor  ardoroso à Sagrada Eucaristia.
Procuremos refletir nessas considerações antes da Comunhão, não nos esquecendo de que Maria Santíssima é também medianeira na nossa devoção eucarística. Todas essas verdades consignadas no texto que acabamos de contemplar pulsavam no Coração Sapiencial e Imaculado d’Ela, com uma intensidade perto da qual o ardor de São Pedro Julião não  é senão uma fagulha.
Imaginemos Nossa Senhora no recinto onde seu Filho celebrou a primeira Missa e operou pela primeira vez na História a transubstanciação: como descrever os fulgores de amor e adoração que, naquele instante, inundaram a alma da Mãe de Deus? A caridade de todos os anjos reunidos empalideceria diante desse fervor. Pois então peçamos a Ela que nos conceda, por sua insondável misericórdia, algo do incomparável fogo eucarístico que A consumia.  

1) Para os dados biográficos do santo, cf . Uma breve biografia de São Pedro Julião Eymard, SSS, pelo Revmo .  Pe . Robert Rousseau, SSS, no site  www .blessedsacrament .com .

Revista Dr Plinio n. 101

Nenhum comentário: