segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Famílias glorificadas pela santidade

Santa Isabel, Rainha da Hungria e Duquesa da Turíngia, pertenceu a uma família que se distinguiu por seus vários membros elevados à honra dos altares. Essa maravilhosa estirpe de santos inspirou a Dom Guéranger o seguinte comentário:
Se bem que todos os eleitos brilhem no Céu de um fulgor próprio, Deus se compraz em agrupar cada um deles em famílias, assim como faz com os astros no firmamento.
E para conferir maior esplendor à santidade, às vezes o Senhor outorga um patrimônio augusto de virtudes que se transmite de geração em geração, nos elementos de uma mesma descendência na Terra. Entre essas raças benditas está a antiga linhagem real da Hungria, a qual ocupa um papel de singular grandeza na constelação dos santos. E o jogo das alianças lhe permitiu levar a todas as casas coroadas da velha Europa, o prestígio de uma perfeição espiritual adquirida por numerosos de seus filhos.
O mais ilustre e também o mais amável desses rebentos é Santa Isabel. Depois de Santo Estêvão, Santo Emmerick e São Ladislau, surge ela como filha de Gertrudes da Turíngia, tendo por tia Santa Hedwiges da Silésia, e por primos e sobrinhos-netos, entre outros, Santa Inês da Boêmia, Santa Margarida da Hungria, Santa Cunegundes da Polônia e Santa Isabel de Portugal, constituindo uma encantadora harmonia da natureza e da graça.
A ordem hierárquica, maravilha na Terra e no Céu
Alguns pensamentos contidos nesse interessante comentário merecem uma análise mais profunda.
Antes de tudo, a noção de que Deus agrupa as almas no Céu, de maneira a formarem famílias, não tanto pelos laços de consanguinidade adquiridos na Terra, mas pela afinidade espiritual existente entre elas.
Isto obedece a uma das regras da estética do universo. Se Deus, tendo criado um incontável número de almas, as levasse para o Céu e lá não compusessem grupos, elas se assemelhariam a uma espécie de poeira espalhada pelas vastidões do Paraíso. Ora, tal não apresentaria a beleza da ordem, que vem a ser o aspecto mais eminentemente nobre e pulcro de todas as coisas.
Explico. Se tomarmos alguns objetos lindos e distintos, considerados em si mesmos, de sua justaposição harmónica nasce uma forma de beleza e de nobreza maior que essas qualidades residentes em cada um deles.
Por exemplo, o colar de pérolas vale mais do que a soma dos preços de cada uma delas isoladas. Porque aquelas pedras, dispostas pelo seu tamanho de modo a constituir um conjunto, possuem maior valor do que se vendidas separadamente.
O mesmo se verifica com os santos. Assim como Deus criou sistemas de planetas e satélites no mundo sideral, várias espécies de animais, raças de homens e coros de Anjos, haveria Ele de querer que no Céu todas as criaturas ficassem agrupadas hierarquicamente, segundo as suas excelências de caráter espiritual. Nisto se acha a beleza do universo.
Por essas considerações, podemos perceber como seria contrária aos planos divinos para a criação, uma ordem de coisas em que todos fossem iguais e onde, portanto, essas contexturas íntimas desaparecessem.
Aqueles para os quais igualdade e santidade são condições idênticas, na realidade não entendem nada a respeito desta última, e nutrem um ideal de perfeição oposto ao da heroicidade de virtudes. Pois o autêntico anelo de excelência espiritual supõe o amor à hierarquia, expressa na constituição de grupos cujos componentes estão dispostos conforme a categoria de cada um. Por isso mesmo, a ordenação hierárquica é um dos maiores esplendores do Céu.
Famílias glorificadas pela santidade
Acrescenta muito bem Dom Guéranger:
Esse agrupamento se realiza pelas luzes primordiais e afinidades de alma. Mas, às vezes, Deus também tem o desejo de glorificar determinadas famílias, fazendo com que nelas apareçam muitos santos.
Sem dúvida, a mais ilustre de todas essas famílias é a Casa Real de David, no seio da qual surgiram personagens monstruosos, mas também santos insignes que prefiguraram o Redentor. Dela nasceram Nossa Senhora, São José e Nosso Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Filho da Santíssima Virgem. Além disso, à régia linhagem de David pertenceram mais de um Apóstolo, escolhidos por Jesus entre seus parentes.
Não se pode, portanto, imaginar uma família mais honrada com esta espécie de disseminação da santidade, do que a Casa do Rei-Profeta.
A exemplo desta, o mesmo se dará em várias estirpes nobres da Europa, como aquela de Santa Isabel da Hungria, singularmente abençoada por sua riqueza espiritual.
Cabe aqui uma consideração interessante. Muitas vezes, quando se estuda mais de perto a existência dessas famílias, nota-se nelas uma obra progressiva da santidade. Deus concede uma graça especial a determinada geração, aprimorada na seguinte, e assim por diante, de geração em geração, até alcançar um requinte de virtude, o qual se propaga por uma série de santos.
Tal se verifica porque Deus quer honrar a continuidade familiar. Ele a deseja tanto que, punindo com severidade o pecado original, se dispõe também a conceder as recompensas de acordo com essa continuidade. E não há prêmio maior do que a presença da virtude, ou seja, a eclosão de diversos santos dentro de uma mesma linhagem.
Estas são as famílias abençoadas, as famílias da destra de Deus, constituídas para, através das gerações, produzirem grandes obras.
Concluo esses breves comentários com uma recomendação. Para crescermos no amor a Deus, no enlevo pela infinita perfeição divina que estabeleceu a ordem do universo, devemos pedir a Nossa Senhora, ao glorioso Patriarca São José e a todos esses santos, que inculquem em nosso espírito essa noção da hierarquia, e a compreensão de como seria falsa e má uma ordenação de coisas, mesmo no Paraíso celeste, onde todos fossem iguais e como que esfarelados.

Nenhum comentário: