quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Santa Genoveva

Tendo apenas sete anos de idade, Santa Genoveva prometeu, na presença dos bispos São Germano e São Lupo, guardar a pureza de alma e de corpo. Tal promessa ela a cumpriu com toda fidelidade e teve a insigne glória de, em 451, impedir que os hunos comandados por Átila invadissem Paris, tornando-se a padroeira dessa cidade.
Em 3 de janeiro comemora-se Santa Genoveva, virgem. A respeito dela, vamos considerar a seguinte nota biográfica extraída da obra L’Année Liturgique, de Dom Guéranger1:
Em meio à multidão, São Germano discerne uma virtuosa menina...
Genoveva foi célebre no mundo inteiro. Ainda vivia ela nesta carne mortal, e o Oriente já conhecia seu nome e suas virtudes. Do alto de sua coluna, o estilita Simeão a saudava como sua irmã em perfeição no Cristianismo. A capital da França tinha-lhe sido confiada; uma simples pastora protegia os destinos de Paris, assim como um simples lavrador, Santo Isidro, vigiava a capital das Espanhas.
São Germano de Auxerre ia para a Grã-Bretanha para onde o Papa São Bonifácio I o estava enviando, a fim de combater a heresia pelagiana. Acompanhado de São Lupo, Bispo de Troyes, que devia partilhar sua missão, parou na aldeia de Nanterre. Enquanto os dois prelados se dirigiam à igreja onde queriam rezar pelo sucesso de sua viagem, o povo fiel os circundava com uma piedosa curiosidade.
Iluminado por uma luz divina, Germano discerniu em meio à multidão uma menina de sete anos, e foi advertido interiormente de que o Senhor a tinha escolhido. Perguntou aos presentes qual era o nome dessa criança e rogou que a trouxessem à sua presença. Assim, fizeram aproximarem-se os pais, Severo e Gerúntia. Ambos ficaram enternecidos com os sinais de ternura com que o bispo cumulava sua filha.

...que faz a promessa de manter a pureza de alma e de corpo
— Esta criança é sua? — perguntou-lhes Germano.
— Sim, senhor — responderam eles.
— Felizes pais com uma tal filha — acrescentou o bispo. Por ocasião do nascimento desta criança, saibam-no, os Anjos deram grande festa no Céu. Esta menina será grande diante do Senhor; e, pela santidade de sua vida, arrancará muitas almas do jugo do pecado. Depois, dirigindo-se à criança, disse:
— Genoveva, minha filha...
— Padre santo — respondeu ela — vossa serva escuta.
Então, disse Germano:
— Fala-me sem temor: gostarias de ser consagrada a Cristo numa pureza sem mancha, como sua esposa?
— Bendito sejais, meu Pai — exclamou a criança —, o que me pedis é o maior desejo de meu coração. É tudo o que quero. Dignai-vos rogar ao Senhor que mo conceda.
— Tem confiança, minha filha — retomou Germano —, sê firme em tua resolução. Que tuas obras sejam conformes à tua Fé, e o Senhor acrescentará sua força à tua beleza.
Os dois bispos entraram na igreja e foi cantado o Ofício de Noa, seguido das Vésperas. Germano tinha mandado trazer Genoveva junto a si, e durante a salmodia manteve suas mãos postas sobre a cabeça da criança.
No início do dia seguinte, antes de partir, mandou o pai trazer-lhe Genoveva.
— Salve, Genoveva, minha filha — disse-lhe Germano.
Lembras-te de tua promessa de ontem?
— Ó Padre santo — retorquiu a criança —, lembro-me do que prometi a vós e a Deus. Meu desejo é de manter para sempre, com o socorro celeste, a pureza de minha alma e de meu corpo.
 Neste momento, Germano percebeu no chão uma medalha de cobre marcada com a imagem da Cruz. Tomou-a e dando-a a Genoveva disse-lhe:
— Faze-lhe um furo, põe-na no pescoço e guarda-a em lembrança de mim. Não leves nunca colar, nem anel de ouro ou de prata, nem pedra preciosa; pois se a atração das belezas terrenas vier a dominar teu coração, perderias logo teu ornamento celeste, que deve ser eterno.
Depois destas palavras, Germano recomendou à criança que pensasse nele frequentemente, em Cristo e, tendo-a recomendado a Severo como um depósito duas vezes precioso, tomou a estrada para a Grã-Bretanha, junto com seu piedoso companheiro.
Florilégio de Santos
Nesse episódio, podemos notar algo que explica o admirável florescimento de almas santas na Idade Média. Vejamos os homens que figuram nesta história.
Em primeiro lugar, o Papa São Bonifácio. Este envia São Germano de Auxerre para defender a Inglaterra contra os pelagianos, e São Germano tem como companheiro de viagem outro Santo, que é São Lupo, Bispo de Troyes. Quer dizer, são dois bispos santos mandados por um Papa santo para defender um país que está ameaçado pela heresia.
Compreende-se o calor da santidade, a intensidade da vida espiritual, o que era, afinal de contas, este florilégio enorme de Santos sobre os quais a Idade Média, ponto por ponto, vinha se construindo.
Ao longo da viagem, passam por uma cidadezinha chamada Nanterre, onde a primeira providência não é se dirigirem para o hotel ou para a hospedaria, nem para um lugar onde possam se divertir. A primeira atitude que tomam, depois de uma viagem fatigante, é ir para a igreja a fim de rezar.
Tal é a iluminação desses personagens, tal o seu prestígio, a atração exercida por eles, que entram na igreja, o povo os rodeia e começa a olhá-los rezar. É o povinho fiel, os camponesinhos com o jeito, naturalmente, do que seriam os camponeses no tempo de Santa Joana d’Arc, alguns séculos depois, rodeando os dois bispos que, recolhidíssimos diante do Santíssimo Sacramento, numa pequena capela, estão fazendo uma oração intensa. E o povo olhando, maravilhado!
De repente, nesse ambiente de fervor, uma graça se faz notar por todos: aqueles dois Santos, enviados por um terceiro Santo, distinguem, entre os fiéis que os rodeiam, uma grande Santa, uma menina de sete anos. Eles a chamam e, diante de todo o povo, um deles faz a profecia a respeito do que a menina haveria de ser. E começa por dizer assim: “Fiquem sabendo que no Céu houve uma grande alegria quando esta menina nasceu.”
Quando Genoveva nasceu, houve grande alegria no Céu
Imaginem o maravilhamento de toda a aldeinha! Um lugarejo onde tudo é notícia, tudo é novidade, em que até a chegada de dois bispos é um grande acontecimento... De repente, esses bispos falam da “fulaninha” que eles veem correr descalça de um lado para outro, pelas ruas da cidade. Em relação a essa menina, quando ela nasceu, houve alegria no Céu!
Ninguém duvidou, ninguém pediu provas, todos acreditaram, inclusive a menina e seu pai. Porque essas pessoas são os tais bem-aventurados, dos quais nos fala o Evangelho2, que creem sem ter visto.
Pensam elas: é tão natural ter havido alegria no Céu por uma menina santa que nasceu! Os Santos são tão frequentes e tão numerosos, eles estão em um contato tão contínuo com o Céu, que conhecem o que se passa lá. Portanto, é natural que eles saibam. É uma comunicação normal.
Como isto é diferente da distância que nos separa do sobrenatural em nossos dias! Antes de admitir que uma coisa vem do Céu, o homem contemporâneo se mune de todas as armas do racionalismo para ver se consegue negar. Não havendo meios de recusar, só então ele se resigna, sem grande entusiasmo a, de quando em vez, admitir a procedência celeste de algo.
Pelo contrário, naquele ambiente cheio de Fé a situação se resolveu imediatamente.
São Germano pergunta à menina:
— Você quer se consagrar a Deus?
— Meu pai — responde ela —, é o mais caro desejo do meu coração!
Está tudo resolvido. Fica um sulco de luz naquela cidade que, a partir de então, começa a ter história. A cidadezinha nasce para a História porque um grande fato sobrenatural se passou nela.
Arco voltaico de santidade
Ela, provavelmente, foi dali mesmo levada pelos pais para um convento onde a prioresa ou a abadessa seria uma Santa também, com um daqueles nomes cuja sonoridade é estranha para nós, mas uma Santa de verdade. Chegam lá e dizem:
— Viemos trazer esta menina, nossa filha.
Certamente a resposta da santa abadessa não seria: “Ah! como ela é engraçadinha”, mas sim:
— Esta menina parece ter o espírito de Deus!
E é possível que Santa Genoveva tivesse dito, com toda inocência, sem qualquer pretensão:
— Tenho mesmo.
E a abadessa perguntasse para a mãe:
— Mas por que trazes a menina?
— Ah! porque São Germano de Auxerre e São Lupo de Troyes disseram dela tais e tais coisas...
— Ah, que bonito!
A abadessa não iria perguntar se tinham um atestado timbrado da Cúria, nem nada disso. Ela acredita também, acolhe no convento a menina que já começa a santificar-se, elevando-se na vida espiritual, a partir daí, como um cedro do Líbano.
Ela cresce, enche o panorama com a sua presença e floresce como uma flor no centro do jardim do Ocidente. Não havia imprensa, rádio ou televisão; entretanto, a fama de Santa Genoveva se espalhou até o Oriente, a ponto de São Simeão Estilita, na Ásia Menor, ouvir falar dela.
Era o famoso Santo que vivia no alto de uma coluna, de onde nunca descia, rezando o tempo inteiro. Era uma forma de verdadeiro eremita. Ele então ouve falar das virtudes de Santa Genoveva e, por esses “radares” que os Santos têm para se sentirem uns aos outros, compreende que ela era irmã espiritual dele e saudou de longe, do alto de sua coluna, esta flor que nascia no doux pays de France 3.
Vemos os contatos passando por sobre os mares, as ilhas, as cordilheiras, as vastidões desertas e povoadas, e estes dois Santos formando uma espécie de arco voltaico de santidade naquela época.
Plinio Correa de Oliveira – Extraído de conferência de 3/1/1966
1) GUÉRANGER, Prosper. L’Année Liturgique – Le temps de Noël. Tomo I. 13ª edição. Paris: Librairie Religieuse H. Oudin, 1900. p. 523-525.
2) Jo 20, 29.

 3) Do francês: doce país da França.

Nenhum comentário: