segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Moisés, prefigura do Redentor

Profeta, legislador e autor inspirado, Moisés surge como uma das maiores figuras do Antigo Testamento e extraordinário símbolo do futuro Messias, ao lado do qual apareceria no Monte Tabor, no dia da Transfiguração de Jesus. Um belo artigo do escritor e jornalista católico André Frossard (1915-1995), sobre Moisés, oferece o ensejo de comentar significativas passagens da vida desse grande líder do Povo Eleito.
A revista  francesa  Historia  publicou um artigo intitulado “Moisés”, de autoria de  André Frossard, do qual selecionamos alguns trechos para lermos e comentá-los .
Tragédias e doçuras
Moisés, talvez o maior homem que tenha existido, pois Jesus Cristo é Deus.
Essa entrada, simplesmente magnífica, tem aquela síntese que caracteriza o espírito francês.
Sua vida pública iniciada aos 80 anos, se desenrola sob um céu tempestuoso, apenas iluminado de quando em quando pelo interlúdio pastoral de uma doçura sem amanhã.
Quer dizer, sua existência foi de tragédias, com alguns episódios dulcíssimos, mas logo depois seguidos por outras catástrofes. Após sua morte, que foi uma verdadeira beleza, houve sua glorificação. Pode-se dizer que caíram mil homens à esquerda e dez mil à direita dele (cf. Sl 90, 7).
Ele fez de Israel um povo, (...) uma religião em marcha, perfilado ao redor de sua lei, como um exército em torno de sua bandeira.
Como está bem expressa a obra de Moisés! Os judeus que viviam no Egito eram um mundaréu de escravos, sem direitos, sem constituição, formavam apenas um segmento racial, um magma étnico que ele transformou em povo e numa religião em marcha. Porque esta, realmente, adquiriu outra consistência, amplitude, outro porte ao longo dos 40 anos de peregrinação no deserto, que parecem inúteis. Porém, no decurso dessas quatro décadas eles se prepararam para ocupar a terra prometida.
Tiveram de percorrer um “rio chinês”* para alcançar o objetivo. E, com uma síntese toda francesa, esse escritor expõe logo no início o que aconteceu. Quer dizer, durante essa prolongada espera eles se transformaram num povo e depois numa religião em movimento, “perfilado ao redor de sua lei como um exército em torno de sua bandeira”. Quando entraram em Israel, já estavam completamente estruturados para se tornar a grande nação que foram depois.
Vê-se, portanto, como o “rio chinês”, transitado pelos israelitas durante 40 anos, foi fecundo, e uma condição para chegarem à terra prometida.
* Metáfora para indicar um caminho sinuoso e difícil, em oposição à estrada reta, sem obstáculos.
Uma eloquência que encheu o Antigo Testamento
A eloquência prodigiosa desse gago encheu o Antigo Testamento de sua sonoridade de bronze cujo estrondo wagneriano rola eternamente suas vagas possantes sob os céus pacíficos do Evangelho.
É fenomenal e dispensa qualquer comentário. Moisés de fato era gago, mas um gago de grande eloquência!
Ele nasceu sob o signo da primeira perseguição anti-semítica registrada na História, numa data que se hesita em fixar entre os séculos XV e XII antes da era cristã. Roma não era senão um débil ondulado de colinas desertas à beira do Tibre, e a Acrópole, um terraço desnudo, uma espécie de escabelo avançado junto ao mar, para uma representação de gênio que ainda não começara. A civilização seguia dois rios — o Nilo, o Eufrates — e começava a enxertar alguns frutos promissores numa ilha do Mediterrâneo, Creta, plataforma inicial das artes, das leis e das técnicas do mundo ocidental.
O Egito oferecia então o modelo acabado dessas sociedades antigas, onde se encontravam harmoniosamente combinadas, para a frágil felicidade de uma elite, uma alta inteligência religiosa curvada para a magia, o mais extremado refinamento dos sentidos e a mais refulgente dureza de costumes políticos. (...) Os judeus tinham sido atraídos um após outro para o Egito pela esperança segura que lhes dava o poder de José, filho de Jacó e Raquel, o qual se tornara, pela lucidez de seu gênio, o primeiro-ministro do reino. Receberam boas terras no país de Gessen, entre o delta do Nilo e os Lagos Amargos, onde actualmente passa o Canal de Suez. Em algumas gerações o país foi inundado por esses protegidos de José, multiplicados pela felicidade, até o dia — diz a Escritura — em que subiu ao trono egípcio um “rei que não conhecera José”...
Essas expressões da Bíblia Sagrada têm beleza poética característica .  É o Espírito Santo que fala . “Um rei  que não conhecera José”, quer dizer,  se o tivesse conhecido, tal era José,  que a perseguição aos judeus seria  impossível . Não se poderia lhe  fazer maior elogio do que esse: “Não conheceu José” .
Mas, aqui não se trata de talento  nem de gênio; é a inspiração . O tema  sobe para outros páramos .
Cauteloso e esperto
...e que começou a lançar um olhar descontente sobre essa população exótica, cuja massa crescente ameaçava pouco a pouco o recenseamento. Então se iniciaram as desditas de Israel. (...) Um povo, outrora feliz, olha estupefato seus pulsos acorrentados; e, em milhares de peitos descarnados pelas galés, forma-se e sobe o soluço do exílio.  
Portanto,  devido  aos  maus  tratos  que  passaram  a  receber,  os  judeus percebem que estão desterrados . Uma realidade descrita de modo extraordinário: “forma-se e sobe  o soluço do exílio”.
Israel, extenuado em sua miséria, recebe a ordem oficial: todos os meninos recém-nascidos deverão ser lançados ao rio. Moisés é um deles. (...)
O destino de Israel flutuava sobre as águas, protegido da corrente por um fraco leque de caules. À pequena distância, a irmã da criança espreitava, e a própria mãe, um pouco mais longe, temerosa de denunciar o filho com sua presença, mas incapaz de se resignar a perdê-lo de vista, esperava um milagre. Foi então que apareceu a filha do Faraó, a qual viera banhar-se, seguida de suas servas. Tendo se aproximado do rio, ela percebeu a caixa entre os caniços, mandou que lha trouxessem, ergueu vivamente a leve cobertura do junco e descobriu, sobre um leito de folhas, um bebê que chorava. (...) Desde logo a filha do Faraó tratou o menino como um filho e lhe deu o nome de Moisés, “porque o tirei das águas”, dizia ela. O nome de Moisés é, com efeito, composto de “moj”, que significa água, e do final “esés”, salvo. (...)
Educado pelos melhores mestres, o filho adotivo da princesa tornou-se um personagem muito importante, até o dia em que o espírito de justiça, que a convivência com os grandes deste mundo não pudera afastar de seu coração predestinado, o fez arriscar sem hesitação e perder de um só golpe, todas as honras e benefícios da proteção real.
Vendo um dia um egípcio maltratar um desses hebreus, seus irmãos, cujos sofrimentos lhe haviam sido ocultados até então, Moisés esperou ficar a sós com o que torturava, matou-o e enterrou-o na areia. Não havia ninguém nos arredores, e ele acreditou estar seguro de sua impunidade. Mas, no dia seguinte, iria medir a extensão de seu erro. Dois hebreus iniciaram uma discussão diante dele. Procurando separá-los, o mais agressivo dos dois gritou-lhe: “Quem te fez juiz? Terás, por acaso, intenção de me assassinar como o fizeste com o egípcio?”
Assustado e não duvidando de que o Faraó logo o buscasse para condená-lo à morte, Moisés fugiu para o país de Madian, do outro lado dos lagos, em algum lugar ao norte da península do Sinai.
Observem  como  Moisés  era  cauteloso.  Hoje, dir-se-ia medroso. Na  realidade,  ele  era  esperto. Quer dizer, vendo que  seu crime foi proclamado  por um, pensou: “O Faraó  me apanha!”. E imediatamente fugiu para longe, para um lugar seguro. Os que amam a segurança não tenham vergonha, pois Moisés, um herói, sabia amá-la.
Prenúncio e símbolo de Nosso Senhor
Durante muitos anos, Moisés levará, nas terras de Madian, uma existência obscura, que tudo permite supor feliz e faz lembrar, pela humildade de sua condição e pelo véu de intimidade que a encobre, a vida oculta de Jesus na oficina de Nazaré.
A vida dos profetas que antecederam a Nosso Senhor, não só prenunciava, mas prefigurava a do Redentor .
Na vida de Jesus e na de Moisés, um longo período de silêncio preludia as tempestades da vida pública, ilustrada inúmeras vezes por prodígios inesperados. Jesus multiplica os pães, e os flocos de maná caem ante Moisés; este atravessa o Mar Vermelho a pé enxuto, e Jesus caminha sobre as águas. Ambos surgem no meio de um povo subjugado, ao qual eles mostram a trajetória de um reino da libertação. Ambos dão uma lei ao povo judeu, ambos se transfiguram no alto de uma montanha.
Mas as verdadeiras concordâncias místicas escapam à fraqueza de nosso olhar e o paralelismo histórico limita-se às imagens. O sacrifício pedido à mãe de Moisés, a Mãe de Cristo dele sentirá todo o horror sobre o rochedo do Calvário.
Quer  dizer,  Nossa  Senhora  teve  de fazer por Jesus um sacrifício semelhante ao da mãe de Moisés: esta  expôs  seu  filho  ao  perigo,  junto  às correntes do Nilo, e a Santíssima  Virgem entregou o Redentor à morte .
Os milagres de Cristo manifestam sua divindade, os milagres de Moisés testemunham a onipotência de um Outro. A Lei do Sinai, destinada unicamente ao povo judeu, distingue-o das outras nações, separa-o e lhe imprime o selo de uma elevação coletiva; a lei do Evangelho se dirige a todos os homens através do povo judeu e dá a cada ser humano vindo a este mundo o poder extraordinário de participar da existência de Deus.
Para o cristão, a terra prometida é uma prefigura do reino dos Céus, e a grande caminhada sangrenta dos hebreus para Canaã — com sua refulgente orquestração de heroísmos, de cóleras, de apostasias fenomenais, de arrependimentos e de perdões incomensuráveis — anuncia esta lenta aproximação da alegria pelo sofrimento e pelo amor, que se chamará vida cristã.
É  a  constatação  de  que  o  trajeto de nosso “rio chinês”, como o da  maioria dos católicos, é muito parecido com o dos judeus daquele tempo .
Moisés lançou as bases da Bíblia, formidável trabalho de embasamento sobre o qual repousa para sempre a continuidade dos textos sagrados. Jesus nada escreveu, mas quando o último profeta colocou seu último vitral na noite da espera, ele fez entrar sua luz no edifício.
A  imagem  é  lindíssima .  Depois  de São João Batista ter posto o último vitral, raia o Sol da Justiça, que é  Nosso Senhor Jesus Cristo!

Único profeta escolhido face a face por Deus
Foi no sul do país de Madian, no maciço do Sinai, que Deus se revelou pela primeira vez ao pastor Moisés, através do crepitar de uma sarça ardente, mas cujos ramos não se consumiam no ardor das chamas. Aproximando-se para ver esse prodígio, Moisés ouviu uma voz que o chamava do meio da sarça, como uma mãe chama seu filho: “Moisés! Moisés!”
Linda interpretação dessa voz. À  primeira vista, ter-se-ia a impressão de que ela deveria incutir medo; porém, o escritor a interpreta como a  voz da mãe que chama o filho: “Moisés! Moisés!”
O missionário resiste à sua vocação. Sua humildade apresenta ao Eterno toda uma série de argumentos, dos quais o mais tocante surge como um refrão: ele gagueja. Quem escutará um líder atingido por uma tal enfermidade? (...) “Senhor, enviareis assim mesmo um gago como profeta?”
Sim, exatamente. O gago será profeta, e tão grande que — dirá o Deuteronômio — não haverá outro em Israel que se assemelhe a este sofrido “que Deus em seu amor escolheu, face a face”.
É um elogio fabuloso, e uma belíssima idéia: Moisés foi o único profeta que Deus suscitou, face a face.  O Criador lhe apareceu, conversou  com ele e o elegeu .
Ladeado por seu irmão Aarão, munido de poderes sobrenaturais simbolizados por um bastão, Moisés foi pedir a liberdade de Israel ao Faraó, que respondeu por um acréscimo de maldades.
Ele vai, portanto, com Aarão, para que este falasse ao Faraó. Aarão é a palavra e Moisés, a presença. Percebe-se, assim, como a presença é mais do que a palavra. Vai munido apenas de uma vara. Imaginemos o palácio do Faraó, Moisés entrando, tomado de coragem — embora ele fosse um criminoso conforme a lei do Egito — e anunciando ao soberano a vontade de Deus. Houve então a conhecida luta entre os anjos, que praticavam milagres por ordem do Altíssimo, e os demônios que, através dos magos egípcios, imitavam os prodígios de Moisés.
Moisés enfrenta as resistências do seu próprio povo
Seguiram-se  as  nove  pragas  do  Egito, e nem assim o Faraó se deixou tocar. Quando sobreveio a décima e a mais terrível — todos os primogênitos  morreram  numa    noite —, o soberano egípcio se declarou  vencido e concedeu a liberdade aos  judeus,  a  “passagem”  (Páscoa,  segundo o hebreu) ao povo de Moisés .  Descreve o articulista: 
Antes da aurora, grandes colunas de povo se puseram a caminho, sob o olhar fúnebre dos egípcios, que na porta de suas casas enlutadas os forçavam a apressar sua marcha. Fora da cidade de Ramsés, todas as colunas se uniram, formando ao redor de Moisés e de Aarão um mar imenso.
Que  cena  majestosa!  Os  judeus  ficaram  a  noite  inteira  acordados,  e os egípcios, humilhados, esmagados por um poder sobrenatural, deixaram sair de madrugada esses homens que para eles eram animais de  carga. Depois de já terem perdido o  rebanho, ficaram privados dos escravos . Era uma depauperação terrível  para o Egito.
Cumpre  ressaltar  que  Moisés,  produzindo esses fatos, obteve grande vitória aos olhos dos seus perseguidores, mas diante dos judeus seu  prestígio  foi  insignificante. É  uma  lamentável  constatação:  com  frequência as pessoas são prestigiadas  quando praticam o mal, e não quando realizam o bem . Com o extraordinário Moisés não se deu de modo  diverso:
Israel, precedido por uma coluna de nuvem, escura de dia, brilhante à noite, que lhe indica o caminho, ouviu de repente o ruído surdo do exército egípcio lançado ao seu alcance. A nuvem de pó que se elevava no horizonte trazia-lhe a morte, e pela primeira vez o povo apavorado se volta contra Moisés: “Não havia suficientes cemitérios no Egito para que nos conduzisses aqui tão longe para morrer? Não te dizíamos com razão, quando nos falavas de liberdade, que a servidão valia mais do que esse fim miserável no deserto?”
Aqui transparece como Moisés precisou vencer resistências para convencê-los a sair do Egito. Eles entraram, portanto, no deserto com  alma minguada. Assim que se apresentou uma ocasião, cometeram infidelidade e demonstraram sua ingratidão. O normal seria que dissessem  a Moisés: “Tu que provaste ser enviado de Deus, por favor, reza agora conosco e nos salva” .Não. Fizeram  recriminações: “Nós é que tínhamos  razão e não tu . Vamos nos render e  nos entregar!”
É uma espécie de aversão a Deus,  chegando ao ponto de querer regressar ao cativeiro. Em vez da solução  confiante, tão suave e doce, optaram  pela desconfiança e a vontade de voltar para a escravidão .
Antepor os egípcios a Moisés não  é  a mesma coisa que preferir Barrabás a Jesus? Pois isto o faz todo  aquele que se deixa tentar na Fé ou  numa virtude decorrente dela: a confiança .
Moisés opera o milagre da travessia  do  Mar  Vermelho,  e  os  judeus  voltam a peregrinar pelo deserto:
Um solo árido, semeado de uma vegetação mirrada, onde os sofrimentos da sede e da fome levantaram contra Moisés novos tumultos, acalmados por outros milagres.
Assim é toda criatura humana. Recebe favores de Deus e, se não corresponder à graça, na primeira vez  em que estiver acuada, diz: “Olha lá,  vai acontecer o desastre que eu estava prevendo!”
É o “profeta de desgraças”, que  atua de modo sempre errado .
Está-lhe reservada uma maravilhosa ressurreição
Os quarenta anos de êxodo que se seguiram serão feitos dos mesmos combates contra o desânimo, das mesmas adorações indignas perdoadas pela intercessão do profeta, e dos mesmos retornos violentos à santidade da Lei, tesouro supremo encerrado em sua arca de madeira e dirigida, de etapa em etapa, para as terras longínquas da felicidade. Apesar de sua estupenda familiaridade com o Céu, Moisés experimentou um momento de dúvida: nas terras ressecadas de Meriba, ante as tribos ameaçadoras que reclamavam água, Moisés, sob as ordens de Deus, tocou um rochedo com seu bastão para dele fazer jorrar uma fonte. Entretanto, em lugar de dar um só golpe, bateu duas vezes. Durante um instante imperceptível sua Fé cambaleou. E esse desfalecimento público, mal observado, lhe fechou a entrada da terra prometida.
Se já existisse Nossa Senhora com sua prerrogativa de Medianeira junto a seu Divino Filho, Moisés obteria através d’Ela o perdão, e entraria em Canaã...
Moisés era chefe de estado, juiz das doze tribos, patriarca, legislador e general, sem nada perder de sua humildade profunda, que estava na raiz de todas as suas virtudes, e à qual a própria Escritura prestará homenagem após a sua morte.
Foi um povo forte, enfim, que chegou à extremidade do planalto da Transjordânia, olhando para essa terra onde Moisés não entrará. Ele tinha 120 anos. Sua missão estava cumprida. Ele atingia o fim de sua viagem terrena. “Sua vista não se tinha enfraquecido, suas forças estavam intactas”. E, entretanto, ele sabia que não iria longe. A dúvida de Meriba o deteve na soleira de Canaã. Mas, não são os bens deste mundo que foram prometidos ao profeta, e a amizade de Deus se reservava o direito de consolá-lo em sua justiça Então, enquanto Israel fascinado lançava seus olhares em direção à planície de Jericó, “Moisés, o servidor de Javé, morreu no país de Moab, segundo a vontade do Eterno. E foi enterrado no vale. Ninguém até agora descobriu o seu túmulo”.
Os séculos passam, o túmulo de Moisés está intacto. Até hoje ninguém o encontrou. Podemos imaginar como será a linda ressurreição de Moisés, no dia do Juízo. Embora muitos pensem que todas as ressurreições serão iguais, devemos supor que todas serão esplêndidas para os eleitos, e horríveis para os outros, como o despertar de um frenético.
Assim como existirão ressurgimentos diferentemente hediondos, haverá os desigualmente belos. O de Moisés será belíssimo, maravilhoso, cercado de uma coorte de anjos, etc., como convém à grandeza de sua vocação.
Conquistador suave e chefe humilde...
Na planície de Moab, os filhos de Israel choraram Moisés durante trinta dias, antes de caminharem para o Jordão, luto e alegria misturados em seus corações. Sem dúvida, a possante beleza desse caráter, o extraordinário gesto de energia que exige o governo de um povo fugitivo entre os terrores e os sofrimentos do deserto, sugeriram aos historiadores retratos de um Moisés como chefe de guerra e como ditador inspirado. Mas toda a força de Moisés lhe vinha de sua Fé em Deus, a qual sua humildade fazia brilhar. Não foi um déspota esclarecido nem um general infalível que Israel chorou nas portas de Canaã. Este conquistador era suave e este chefe era mais humilde que o mais humilde de seus companheiros de caminho.
Em meio ao brilho fulgurante das armas e até sob a tempestade dos anátemas, sua vida tremulou ao sopro de uma imensa ternura vinda de outro lugar. Os homens reconhecerão este mesmo acento nas palavras de um outro, o próprio Amor desprezado expirando na Cruz sobre uma colina de Jerusalém.
A meu ver, mais não se poderia dizer de um homem. Está tudo dito, tudo feito.

Nenhum comentário: