sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Santa Catarina de Siena e o zelo pela causa da Igreja

Sobressaindo na fé, esperança e caridade numa época semeada de provações para a Igreja, Santa Catarina de Siena tornou-se modelo de alma fervorosa e batalhadora, envidando todos os esforços para ver a Esposa Mística de Cristo triunfar sobre suas adversidades.
Ao celebrarmos a memória de Santa Catarina de Siena, virgem e Doutora da Igreja, cuja festa transcorre no dia 29 de abril, parece-me oportuno evocarmos a seguinte passagem de sua vida, narrada por um biógrafo:
Aproximava-se o Natal, primeiro que Catarina passava em Roma. Quando menina, sempre gostara de presentear seus amigos nessa santa comemoração, com flores e cruzes. Agora, porém, que dispunha de prestígio, era conseguindo indulgências e concessões da Igreja que proporcionava alegria aos amigos.
Cinco laranjas para o Papa
Não se esqueceu do Papa, e enviou-lhe cinco laranjas que ela mesma dourara, acompanhando o presente com essas linhas expressivas: “Sede uma árvore de amor enxertada sobre a árvore da Vida, Cristo, o doce Jesus. Desta árvore nascerá uma flor brotada de vossa vontade, o pensamento das virtudes e os seus frutos amadurecerão para a maior honra de Deus e salvação de vosso rebanho. Esse fruto parece amargo a princípio, ao ser mordido pela boca do santo desejo, mas tornar-se-á doce, desde que a alma se resolva a sofrer até a morte pelo Cristo crucificado e pelo amor do bem.
Assim se dá com a laranja, que se põe na água a fim de lhe retirar o amargor, açucarando-a em seguida e dourando-a por fora. E agora, onde lhe ficou o azedume? Na água e no fogo. O mesmo se passa, Santíssimo Padre, com a alma que concebe o amor da virtude. O que a princípio lhe parece amargo, provém de sua imperfeição. O remédio está no sangue de Cristo crucificado, que proporciona a água da graça, purificando-a do amor-próprio e sensual, que enche a alma de tristeza.
“E como o sangue está ligado ao fogo, pois que foi derramado com o fogo do amor, podemos dizer, na verdade, que o fogo e a água purificam a alma do amor-próprio e dela extraem o azedume [das ofensas feitas a Deus] que a princípio continha, enchendo-a de força pela perseverança e paciência, e adocicando-a pelo mel de uma humildade profunda.
“Assim preparado o fruto, este é então dourado, simbolizando o ouro da pureza e o ouro reluzente da caridade, que se manifesta por uma verdadeira paciência no serviço do próximo, suportado com imensa ternura de coração.
Suscitada para servir a Igreja numa difícil conjuntura
Florido, rico em ideias e simbolismos, esse texto sobre Santa Catarina de Siena nos remete à época em que ela viveu, marcada por graves acontecimentos na história da Igreja.
Santa Catarina de Siena pertenceu à Ordem Terceira dominicana, e desde seus 15 anos de idade consagrou-se às obras de caridade, a uma intensa vida de piedade e mortificação. Distribuía abundantes esmolas aos pobres, servia os doentes, visitava os prisioneiros e consolava os desafortunados. Como sói acontecer com as almas particularmente queridas por Deus, a Providência permitiu que fosse afligida desde cedo por doenças crônicas, que não fizeram senão se agravar no decorrer de sua breve existência, vindo a falecer aos 33 anos, em Roma.
Dirigida pelo bem-aventurado Raimundo de Cápua — que, além de seu confessor, foi também seu biógrafo, autorizado por ela a publicar o conteúdo de suas visões e revelações — Catarina de Siena se santificou e se tornou um dos mais luminosos florões do catolicismo no século XIV.
Porém, como dissemos, nessa época a situação da Igreja não era o que se poderia desejar como ideal. Pelo contrário, a barca de Pedro era então ameaçada por toda espécie de ondas nefastas que procuravam pô-la a fundo. Sinais de decadência da fé e de relaxamento dos costumes se faziam notar um pouco por toda a parte, nos mais variados ambientes católicos. Até mesmo nos mosteiros e conventos, que deviam proporcionar aos seus religiosos a tranquilidade e a estabilidade que trazem o desapego dos bens terrenos, instalara-se um desejo de luxo e opulência oposto aos ideais evangélicos.
Como se tal não bastasse, a sede do Papado se transferira de Roma para Avignon, feudo que os Pontífices romanos possuíam na França, e ali viviam sobre o domínio dos soberanos franceses. Ora, aqueles germens de decomposição moral atingiram também as fileiras do clero secular, disseminando um espírito de revolta contra a autoridade do Vigário de Cristo e outros desmandos. Donde se estabelecer, por volta de 1378, uma situação de cisma dentro da Igreja, com o Papa legítimo, Urbano VI, e um ilegítimo eleito apenas por cardeais franceses.
Em meio a essa confusão, as almas retas lamentavam a ausência dos Papas de Roma, e desejavam ardentemente que a Cidade Eterna voltasse a ser o centro da Cristandade, e a paz, a dignidade da fé e o bom aroma da virtude reinasse novamente no orbe católico.
Uma dessas almas foi Santa Catarina de Siena, suscitada por Deus para, através de suas célebres cartas e admoestações dirigidas às autoridades eclesiásticas — sobretudo à maior delas, ao próprio Papa — reconduzir as ovelhas de Cristo a serem outra vez um só rebanho sob a égide de um só pastor. Grande mística, favorecida por visões de Nosso Senhor Jesus Cristo, ela escrevia essas missivas inspirada por tais revelações, e acabou granjeando influência e admiração entre os que aceitavam seus conselhos. Contribuiu, dessa forma, para sustentar a nau da Igreja em sua conturbada trajetória, embora não chegasse a presenciar em vida o fim do chamado grande cisma do Ocidente, que se deu trinta anos depois de sua morte. Seja como for, confiante na infinita solicitude de Nosso Senhor Jesus Cristo por sua Esposa Mística, Santa Catarina rezou e se sacrificou até o derradeiro suspiro pela salvação e reunificação da Igreja. Nessas disposições entregou a alma a Deus, no dia 27 de abril de 1380.
Não há flores sem cruzes, nem cruzes sem flores
É essa Santa Catarina que se comprazia em dar presentes de Natal aos seus amigos. Percebe-se nessa peculiaridade o espírito ameno, alegre (no bom sentido da palavra) e afável de uma religiosa tão penitente e mortificada. Mas, os presentes que ela oferecia eram simbólicos. Quando menina, ela dava flores, de que o solo italiano é fecundo, e cruzes, de que a vida do católico é também fecunda.
Essa ideia de oferecer flores e cruzes parece-me muito equilibrada, pois o Natal é uma época de felicidade e convém externar esse júbilo por meio do colorido das flores. Contudo, para o católico não há flores sem cruzes, e por isso sempre será oportuno, na hora do júbilo florido, lembrar a alma que ela deve se preparar para os sofrimentos.
Eu diria mais: também não há cruzes sem flores. Pois o católico sabe aceitar as provações como algo valioso para a sua santificação e para uni-lo a Nosso Senhor e Nossa Senhora. Razão pela qual a cruz é por ele recebida com alegria, como se adornada de flores, a exemplo de Nosso Senhor ao abraçar a cruz que Ele deveria levar até o alto do Calvário. Segundo piedosa crença, no momento em que Lhe impingiram o instrumento de seu suplício, o Divino Redentor o osculou afetuosamente antes de carregá-lo nos ombros, porque era o meio para a realização da missão que O trouxera ao mundo, isto é, a redenção do gênero humano.
Advertências salutares
Quando alcançou notoriedade, dotada de prestígio junto aos Papas, Santa Catarina de Siena passou a dar presentes mais elevados, quer dizer, obtinha para seus favorecidos certas indulgências concedidas pelo Pontífice e outros dons espirituais.
Para compreendermos o valor de uma indulgência cumpre considerar que as almas de quase todos os fiéis defuntos passam pelo Purgatório, onde se purificam e expiam as penas devidas às faltas cometidas nesta vida.
Ora, pelos méritos das indulgências, uma alma consegue abreviar seu período de expiação no Purgatório, ou até mesmo eliminá-lo de todo.
Podemos imaginar, então, com que felicidade os amigos de Santa Catarina de Siena recebiam, mandado por ela na noite de Natal, um documento do Papa concedendo tais e tais indulgências. Com um detalhe interessante de notar. É que por meio dessa forma amena de agradar o próximo, envolta no bimbalhar dos sinos natalinos e sob o invólucro do perdão, Santa Catarina não deixava de lhe dizer uma importante verdade: “Não se esqueça de que você tem contas a pagar. Essas indulgências serão suficientes para cobri-las? Examine sua alma, abra os olhos e pense em como se comportará doravante.”
Havia, portanto, subjacente ao gesto de afeto e amizade, uma salutar advertência para a vida espiritual do seu conhecido.
Um lindo modo de estimular o Papa à prática da virtude
Há ainda o pitoresco fato de ela ter mandado cinco laranjas de presente para o Papa. Entende-se que Santa Catarina fez uma compota, “dourando” os frutos no açúcar e no fogo, o que lhe inspirou a bela comparação que expressou nas linhas dirigidas ao Vigário de Cristo.
Na verdade, encontrara um modo gracioso e igualmente ameno de estimular o Pontífice à prática da virtude, à paciência, ao desapego das coisas materiais, ao amor à cruz e ao espírito de penitência, quão mais necessários naquele que era o guia e modelo de todos os católicos do mundo. Então se refere ao amargor que a fruta apresenta num primeiro momento, para depois tornar-se doce e agradável ao paladar: assim como a virtude, a princípio amarga para o homem ainda presa de suas imperfeições e apegos; em seguida suave e deleitosa, pelo sofrimento unido ao de Cristo e abraçado com perseverança e humildade.
Padroeira dos que trabalham e lutam pela Igreja
Concluo esses comentários salientando um ponto que me parece muito oportuno. Uma vez que Santa Catarina de Siena distinguiu-se por seu zelo e fervor no serviço da Esposa Mística de Cristo, posto que ela tanto trabalhou para reerguer a Igreja no tempo dela, não será despropositado tomá-la como padroeira de todos aqueles que igualmente trabalham e lutam pelos interesses católicos.
E, portanto, é de extrema conveniência que a ela elevemos nossas preces, rogando seu auxílio e sua intercessão junto a Maria Santíssima e ao Sagrado Coração de Jesus, a fim de que possamos, nós também, conquistarmos em nossa época grandes vitórias para a Igreja.

Nenhum comentário: