sábado, 21 de janeiro de 2012

O apóstolo São Paulo

Ao Apóstolo São Paulo dever-se-ia aplicar a descrição feita por São Luís Grignion de Montfort sobre os missionários a serem suscitados por Deus nos últimos tempos: “Pregarão com grande força e virtude, e tão grande, tão esplêndida, que hão de comover todos os espíritos e todos os corações nos lugares em que pregarem; a eles haveis de dar vossa palavra, à qual nenhum dos vossos inimigos poderá resistir”.
Apóstolo, digno desse título pelo seu zelo e heroísmo extraordinários na evangelização dos povos, sobrepujando talvez a dedicação dos primeiros escolhidos pelo próprio Nosso Senhor. São Paulo se transformou nesse ardoroso discípulo de Cristo, após uma espetacular conversão, cuja festa a Igreja celebra em 25 de janeiro.
No caminho de Damasco
Para recordá-lo, creio ser oportuno ler e comentar o seguinte trecho dos Atos dos Apóstolos: Enquanto isso, Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Apresentou-se ao príncipe dos sacerdotes, e pediu-lhe cartas para as sinagogas de Damasco, com o fim de levar presos a Jerusalém todos os homens e mulheres que achasse seguindo essa doutrina. Durante a viagem, estando já perto de Damasco, subitamente o cercou uma luz resplandecente vinda do céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Saulo disse: “Quem és, Senhor?” Respondeu ele: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro te é recalcitrar contra o aguilhão”. Então, trêmulo e atônito, disse ele: “Senhor, que queres que eu faça?” Respondeu-lhe o Senhor: “Levanta-te, entra na cidade. Aí te será dito o que deves fazer.”
Os homens que o acompanhavam enchiam-se de espanto, pois ouviam perfeitamente a voz, mas não viam ninguém. Saulo levantou-se do chão. Abrindo, porém, os olhos, não via nada. Tomaram-no pela mão e o introduziram em Damasco, onde esteve três dias sem ver, sem comer nem beber. Havia em Damasco um discípulo chamado Ananias. O Senhor, numa visão, lhe disse: “Ananias!” — “Eis-me aqui, Senhor”, respondeu ele.
O Senhor lhe ordenou: “Levanta-te e vai à rua Direita, e pergunta em casa de Judas por um homem de Tarso, chamado Saulo; ele está orando.” (Este via numa visão um homem, chamado Ananias, entrar e impor-lhe as mãos para recobrar a vista.) Ananias respondeu: “Senhor, muitos já me falaram deste homem, quantos males fez aos teus fiéis em Jerusalém.E aqui ele tem poder dos príncipes dos sacerdotes para prender a todos aqueles que invocam o teu nome.”
Mas o Senhor lhe disse: “Vai, porque este homem é para mim um instrumento escolhido, que levará o meu nome diante das nações, dos reis e dos filhos de Israel. Eu lhe mostrarei tudo o que terá de padecer pelo meu nome.”
Ananias foi. Entrou na casa e, impondo-lhe as mãos, disse: “Saulo, meu irmão, o Senhor, esse Jesus que te apareceu no caminho, enviou-me para que recobres a vista e fiques cheio do Espírito Santo”. No mesmo instante caíram dos olhos de Saulo umas como escamas, e recuperou a vista. Levantou-se e foi batizado. Depois tomou alimento e sentiu-se fortalecido. Demorou-se por alguns dias com os discípulos que se achavam em Damasco.
Imediatamente começou a proclamar pelas sinagogas que Jesus é o Filho de Deus. Todos os seus ouvintes pasmavam e diziam: “Este não é aquele que perseguia em Jerusalém os que invocam o nome de Jesus? Não veio cá só para levá-los presos aos sumos sacerdotes?”
Saulo, porém, sentia crescer o seu poder e confundia os judeus de Damasco, demonstrando que Jesus é o Cristo.
Um homem decidido
Essa história é tão rica em pormenores saborosos, que não se tem quase o que lhe acrescentar. Porém, para tecermos alguns comentários, seria interessante destacar um dos traços curiosos da narração, presente em suas linhas gerais e nas principais passagens: é a força.
Saulo nos é apresentado como um homem decidido. Ele toma a iniciativa de pedir aos líderes religiosos cartas de autorização para perseguir os cristãos. Percebe-se que tais autoridades estavam um tanto encostadas e ele era o zeloso, disposto a acabar com aquela — no entender dos fariseus — seita propagadora de doutrina errônea e perigosa. Ou seja, é ele quem desencadeia a acção de exterminar os vários núcleos da pseudo-heresia nascente.
Como dizem os Atos dos Apóstolos, “respirando ameaças e morte”, munido dessas cartas, dirige-se a Damasco, pois queria prender ali todos os seguidores da nova “seita”.
Esse indivíduo era famoso pela sua rijeza, o que se confirma pela resposta de Ananias a Deus: “Muitos já me falaram deste homem, quantos males fez aos teus fiéis em Jerusalém”. Saulo era tido, portanto, como um inimigo capital dos católicos.
Vem a propósito observar os termos curiosos empregados pela Sagrada Escritura em sua narração: “Durante a viagem, estando já perto de Damasco...”. Tratava-se de um trajeto um pouco longo, e tem-se a impressão de que, avançando no seu caminho, a raiva dele se tornava cada vez maior, até acontecer de se aproximar da cidade. Então, àquele homem duro sucede um duro fato. Envolto por uma luz celeste, ele ouve uma voz que o interroga: “Saulo, por que me persegues?”
A ordem das coisas invisíveis se abria para ele. E a pergunta importa numa forte censura, pois ele estava resistindo a intensas graças anteriormente lhe concedidas, como se infere das palavras seguintes: “Duro te é recalcitrar contra o aguilhão”. Quer dizer, as graças eram como um aguilhão a incidir sobre Saulo, mas este as rejeitava. Em razão disso, para dar à ponta a sua máxima penetração, Deus empregou uma força ainda maior e o derrubou na estrada.
A cegueira, aflição para o poderoso
E Saulo sentiu o impacto!
— Senhor, que queres que eu faça?
A essa queda seguiu-se uma severidade ainda maior: a cegueira. Para um homem de temperamento como o de São Paulo, ser privado da visão é a pior coisa possível, pois uma das carências humanas mais incompatíveis com o vigor é a cegueira. E ele, outrora repleto de agilidade e empreendimento, para caminhar tinha de ser conduzido pela mão. Não havia outro remédio...
Certamente a notícia desse acontecimento circulou célere na comunidade católica de Damasco, e muitos foram ver e falar com Saulo. Compreende-se que o episódio tenha produzido essa efervescência, enquanto o protagonista passou a se tratar de modo veemente: durante três dias entregou-se a um rigoroso jejum, sem comer nem beber. Pouco depois lhe caíram as escamas dos olhos e ele recuperou a vista, alimentou-se e recobrou igualmente as forças. Ou seja, não se achava nem um pouco alquebrado: tão logo lhe deram o necessário, empertigou-se, alçou-se de novo e se dispôs à luta.
Operou-se nele uma mudança completa e estrepitosa, pois de líder anticristão passou a pregar nas sinagogas e lugares públicos o nome de Jesus, contra o Qual se levantara.
O prêmio do bom combate
Esse homem de importância capital para o desenvolvimento da Igreja nascente, atuará na posição chave daquela época, que era o mundo mediterrâneo. Tomando a palavra de Deus como um gládio de dois gumes — para usar sua própria expressão — que atinge a junção da alma com o espírito, operava conversões extraordinárias, quer pela qualidade, quer pela quantidade de pessoas atraídas à Fé cristã. De tal modo que ele abriu um sulco sobre o qual a Igreja Católica prosperou, além de dar o primeiro passo essencial para a derrubada do paganismo no Império Romano.
E no final de sua vida, fez ele uma prece que tem algo de santamente forte em relação a Deus Nosso Senhor. Ele se dirige a Jesus com palavras que certos hagiógrafos piegas qualificariam de falta de humildade, mas nada objetam em se tratando de uma afirmação de São Paulo. Aproximando-se da morte, seria tão legítimo que ele dissesse: “Senhor, tende piedade de mim e, segundo a multidão de vossas misericórdias, apagai meus pecados”. Porém, sua oração foi outra: “Senhor, combati o bom combate, só me resta agora receber de Vós a coroa da justiça!” Tais palavras constituem uma espécie de atestado brilhante de sua própria fidelidade, como se declarasse: “Senhor, o cheque está preenchido, e estou perto do guichê. Pagai-me. Minha vida valeu o prêmio que vossa justiça me prometeu”. E com sua consciência tranquila, ele se apresentou diante de Deus.
Tudo isso é bem exatamente o contrário de uma das facetas que a pieguice manifesta. Pois esta não se compraz com conversões veementes, nem lhe agrada cogitar na mudança de vida de homens sábios ou dos que alteram o rumo dos acontecimentos. Ela não considera o corpo da Igreja nem a sociedade temporal como um conjunto no qual há homens-chaves. Aprecia apenas umas conversões pequenas, individuais, narradas assim: “Fulano estava com a alma muito agitada. E, num momento de suavidade, às seis horas da tarde, quando ouvia pela rádio a Ave-maria mesclada com uma música melosa, ele se converteu. Ficou então em paz, recolheu-se, afastou-se do bulício, desinteressou-se por todas as coisas humanas e agora não faz senão rezar...”
Não discuto a autenticidade e a oportunidade de uma conversão assim, posto serem muitos os caminhos de Deus para as almas. Contudo, não me parece legítimo apresentá-la como sendo a única digna de consideração.
Voltemos nossos olhos para o exemplo de São Paulo: logo depois de convertido, desferiu trombadas nos adversários da Igreja, primeiro nos ambientes que ele próprio frequentava quando perseguidor dos cristãos, e em seguida pelas vastidões do Império romano. Bem ao contrário do que lhe recomendaria um desses piegas...
O espírito dos apóstolos dos últimos tempos
Seria o caso, então, de nos perguntarmos o quê devemos pedir a São Paulo nesta festa de sua conversão.
Nossa Senhora lhe obteve o dom de uma santa firmeza, porque à frente dele se erguiam muitos obstáculos a serem derrubados. Era uma época de luta, na qual se tornava necessário extirpar o paganismo. Creio que seria de todo conveniente pedirmos para nós esse santo vigor, em todos os sentidos da palavra, a fim de batalharmos contra nossos defeitos morais e más inclinações, assim como para enfrentarmos a falta de fé, hoje em seu auge e mui muito mais poderosa do que foi o paganismo no tempo do Império Romano.
Donde poder-se compreender que os apóstolos dos últimos tempos tenham uma rigidez a la São Paulo. Aliás, é curioso, mas sob alguns aspectos este pode ser considerado uma prefigura deles. Lendo-se a Oração Abrasada de São Luís Grignion de Montfort, e aplicando-a ao Apóstolo dos Gentios, percebe-se que as analogias são imensas e uma série de coisas se reportam umas às outras, admiravelmente.
Lembremo-nos, portanto, de rezarmos de modo muito particular a São Paulo nessa sua festa, rogando-lhe alcançar- nos o espírito dele, ou seja, o espírito dos apóstolos dos últimos tempos.

Nenhum comentário: