sexta-feira, 7 de outubro de 2016

São Pascoal Bailão

Contemplando a vida de São Pascoal Bailão, Dr. Plinio ressalta o quanto a ação apostólica de alguns Santos permanece mesmo após a morte.
São Pascoal Bailão foi um Santo franciscano que viveu no século XVI e se tornou famoso pela sua devoção ao Santíssimo Sacramento.
Fervoroso devoto da Transubstanciação
Para compreendemos bem o sentido da ficha que será lida, devemos saber o que é a Missa e, dentro dela, a Consagração.
A Missa é a renovação incruenta do Sacrifício do Calvário. É o maior ato de culto da Religião Católica, porque é Nosso Senhor Jesus Cristo que se oferece a Si mesmo ao Padre Eterno.
Quando o padre pronuncia as palavras da Consagração, a hóstia e o vinho se transubstanciam, passando a ser Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo. Esse é o momento no qual se dá a renovação incruenta do Sacrifício do Calvário, um dos mais augustos mistérios da Religião Católica.
Assim, é compreensível que uma pessoa piedosa dê grande importância a estar presente à Missa. E todas as outras orações da Igreja se estruturam tendo em vista a parte mais importante da Missa.
Desse modo compreendemos como um Santo, com uma devoção eucarística acendrada, tenha o melhor de sua devoção voltada para a transubstanciação, na qual Nosso Senhor Jesus Cristo se oferece novamente.
Vejamos, então, a vida de São Pascoal Bailão.
Um ato de adoração no momento extremo da vida
São Pascoal Bailão, cujo corpo repousa no Convento dos Franciscanos de Valência, na Espanha, era nascido na província de Aragão. Tendo que apascentar seu rebanho, ele assistia à Missa sempre que podia, e se era impossível assisti-la, ele deitava ouvidos atentos ao som da sineta que tocava por ocasião da elevação.

Vê-se que o prado onde ele apascentava o rebanho, quando menino, era muito próximo a uma igreja e ele, de fora, podia ouvir a campainhazinha tocando no momento da elevação.
Assim que ouvia a sineta, ele se ajoelhava, e qualquer que fosse o lugar onde se encontrava, adorava com fervor o Santíssimo Sacramento, o Salvador descido do Céu para o altar.
Com a idade de 24 anos entrou, na qualidade de irmão leigo, no Convento dos Franciscanos Descalços de Valência, onde mostrou o mesmo fervor ardente pelo Santíssimo Sacramento.
Deus lhe recompensou esse fervor, chamando-o a Si no momento da elevação. Depois de ter recebido o Santo Viático, São Pascoal perguntou se a Missa solene já tinha começado na igreja do convento. E como lhe disseram que a elevação se aproximava, ele se tomou de uma alegria extraordinária, e deitou muita atenção para, do lugar onde estava, ouvir o tilintar da sineta. Quando ouviu, exclamou: “Meu Jesus! Meu Jesus! e expirou.
O seu enterro foi marcado por um grande milagre: tinham colocado seu caixão na igreja e o Ofício dos mortos acabava de começar. Eis que na elevação da Hóstia, o cadáver se mexeu, abriu os olhos, e quando o padre levantou o cálice, fez o mesmo gesto do padre.
Isso não aconteceu uma única vez. Quando seu corpo foi colocado numa sepultura ao lado do altar-mor, deu muitas marcas de veneração pelo Santíssimo Sacramento cada vez que se celebrava a Missa nesse altar. Quando chegava o momento da elevação, ouvia-se um movimento no interior da sepultura como a convidar os fiéis a um ato de adoração mais ardoroso. Em nossos dias ainda se percebe, às vezes, esse movimento na sepultura. Vários santos padres, entre outros o piedoso Domenico Maso, que celebraram o Santo Sacrifício da Missa diante da sepultura de São Pascoal Bailão, informaram ter sido testemunhas desse milagre.
É algo lindíssimo, cuja beleza merece ser analisada num instante.
Nosso Senhor deu a este Santo, durante toda a sua vida, uma graça especial para adorar o Santíssimo Sacramento. Talis vita, finis ita: assim como foi a vida, assim também é o fim. Graças à fidelidade dele a essa graça, Nosso Senhor fez coincidir a morte dele com o momento da elevação. Nesse instante Deus colheu a sua alma, como para dizer que, durante toda a vida, a alma dele esteve se maturando para esse supremo ato de adoração ao Santíssimo Sacramento. E quando ele atingiu a santidade própria para o momento extremo, no qual ele fez essa adoração extrema, ele tinha chegado à plena maturidade para o Céu. Essa maturidade ele a tinha realizado num ato de adoração ao Santíssimo Sacramento. Veio a Providência, o colheu e o levou para o Céu.
Missão póstuma para maior glória de Deus
É frequente os Santos, quando vão para o Céu, terem certo pesar de não poderem mais fazer apostolado na Terra. Parece incrível que uma pessoa, indo para o Céu, tenha pesar de alguma coisa na Terra não ficar como queria. Vemos São Pascoal Bailão, ainda depois de morto, o cadáver dele fazer um ato de adoração ao Santíssimo Sacramento. Depois, na sepultura, ainda se remexe quando há uma celebração, para convidar os fiéis a adorarem o Santíssimo Sacramento. É um apostolado eminente feito por seu cadáver.
Nós podemos enunciar um desejo análogo? Podemos desejar alguma coisa desse gênero?
Eu desejaria para todos nós que, depois de mortos, quando alguém pronunciasse o nosso nome, ou se lembrasse de nós a qualquer propósito, ou passassem perto de nossa sepultura, recebessem, se forem filhos da luz, um aumento de devoção a Nossa Senhora, uma participação no espírito d’Ela. Se forem filhos das trevas, se sentissem incomodados, humilhados, combatidos, obstados e perseguidos no que tivessem de mau, de maneira a largar a sua maldade. Desejaria combater para converter os maus ou para evitar que eles prejudiquem os bons. De modo que o número dos eleitos se completasse exatamente como Deus quer.
Para isso devemos ser, até o fim da vida, duas coisas: primeiro, arautos de Nossa Senhora; segundo, pedras de contradição, de escândalo para salvação e perdição de muitos, exatamente como o Profeta Simeão disse a respeito de Nosso Senhor Jesus Cristo (cf. Lc 2, 34).
Se eu souber que até o fim do mundo Nossa Senhora resolveu utilizar do nome de um de nós para isso, exultarei intimamente e superexultarei, porque assim a nossa obra se realizará.
Quer dizer, apenas quando — segundo a frase grandiosa da Escritura — tiver acabado o mundo e a abóbada celeste se enrolar como um pergaminho, e vier o Filho de Deus em grande pompa e majestade (cf. Ap 6, 14-17); as contas todas estiverem acertadas e os adversários da Igreja liquidados; a Contra-Revolução estiver para sair da sepultura a caminho do Céu; os anjos malditos que circundam a Terra incitando os homens para a ação da Revolução estiverem prestes a ser acorrentados para irem ferver no Inferno por toda a eternidade; somente nesse momento a nossa missão acabe.
Esta seria a aplicação do mesmo princípio usado por Nossa Senhora com São Pascoal Bailão. O que se faz a vida inteira faz-se também na hora da morte. O que se faz na hora da morte, faz-se até o fim do mundo. Podemos pedir a São Pascoal Bailão que nos dê essa grande graça.
Plinio Corrêa de Oliveira – Extraído de conferência de 23/8/1974


Nenhum comentário: