quarta-feira, 8 de março de 2017

Santo Onésimo, discípulo de São Paulo


Por volta do ano 61 da Era Cristã, encontrava-se preso em Roma o Apóstolo das Gentes. Tinha o corpo agrilhoado, mas a alma livre, e não cessava de evangelizar. Neste período de cárcere, ele escreveu pelo menos quatro de suas epístolas: Efésios, Filipenses, Colossenses e Filêmon.
 Essas duas últimas foram levadas por Tíquico à cidade de Colossos, situada a cerca de 20 km de Laodiceia, na Ásia Menor (atual Turquia). Além da carta endereçada para toda a comunidade, seguia uma curta mensagem para um cristão particularmente amado pelo Apóstolo: Filêmon.
  Ao se dirigir a Colossos, Tíquico não estava só. Como escreveu o Apóstolo: “Ele vai juntamente com Onésimo, nosso caríssimo e fiel irmão, conterrâneo vosso. Ambos vos informarão de tudo o que aqui se passa” (Col 4, 9).
Filho espiritual do Apóstolo

 Escravo fugitivo da casa de Filêmon, Onésimo havia buscado refúgio junto a São Paulo, em Roma. Ao invés de ter procurado asilo religioso em algum templo pagão, como acontecia à época, ele preferiu fugir na direção correta e encontrou amparo no coração do Apóstolo.
 Tendo sido batizado por São Paulo na prisão, tornou-se filho espiritual dele ao mesmo tempo que era elevado à dignidade de filho de Deus. Antes escravo do mundo e de Filêmon, agora Onésimo servia o Apóstolo como se estivesse servindo ao próprio Cristo.
  Lembrando a situação de muitos escravos dessa época pagã, São João Crisóstomo escreve: “Quantos senhores jazem embriagados no leito, enquanto os escravos se apresentam com sobriedade! A quem chamarei escravo? Ao sóbrio ou ao ébrio? Ao escravo do homem ou ao escravizado pelos vícios?”.1 Sem dúvida, a escravidão às paixões e ao pecado é a pior que há.
  No entanto, Filêmon não era um ébrio e muito menos um pagão. Pelo contrário, o próprio São Paulo o qualificou de “nosso muito amado colaborador” (Fm 1, 1). Em grego, o nome Filêmon significa amado; neste caso, amado por Deus e pelo Apóstolo, o qual lhe faz outro elogio na mencionada carta: “Tua caridade me trouxe grande alegria e conforto, porque os corações dos santos encontraram alívio por teu intermédio, irmão” (Fm 1, 7).
  À vista desses elogios, pode-se concluir que Filêmon não era um mau amo. Acrescente-se em favor dele que a Santa Igreja o inscreveu no catálogo dos Santos. O Martirológio Romano o inclui no dia 22 de novembro, juntamente com sua esposa Santa Ápia, e no dia 20 de março encontramos o filho deles: Santo Arquipo. Mãe e filho também são mencionados na carta do Apóstolo: “a Ápia, nossa irmã, a Arquipo, nosso companheiro de armas, e à igreja que se reúne em tua casa” (Fm 1, 2).
  Talvez Onésimo tenha sido, então, pouco diligente no seu trabalho.
Súplica enquanto ancião e prisioneiro 
Nos versículos subsequentes, São Paulo procura ao mesmo tempo angariar a confiança de seu interlocutor e preparar o terreno para o pedido que vai fazer em favor daquele a quem libertou da escravidão do pecado. Ele quer mostrar a Filêmon qual é o novo e verdadeiro vínculo de servidão adquirido pelo seu escravo, já não mais no âmbito civil, mas sim no religioso.
  “Eu, Paulo, idoso como estou, e agora preso por Jesus Cristo, venho suplicar-te em favor deste filho meu, que gerei na prisão, Onésimo” (Fm 1, 9-10). Um belo aspecto desta carta, a menor das escritas por São Paulo, são as duas razões por ele alegadas junto a Filêmon para obter o que lhe solicitava: ser ancião e prisioneiro.
  Se nessa ocasião intercede por um escravo, é porque ele pró- prio já se tinha feito voluntariamente escravo muito tempo antes, no momento de sua conversão. A entrega total a Cristo era o motivo da perseguição promovida pelo mundo contra Paulo.
  Mas até a condição de servo se tornou motivo de glória para o Apóstolo, conforme cantou Santo Ambrósio: “Quantos senhores tem aquele que fugiu do único Senhor! Nós, porém, não fujamos d’Ele. Quem fugirá desse Senhor ao qual seguem atados com correntes, mas correntes voluntárias que libertam, não atam, correntes dos prisioneiros que se gloriam dizendo: ‘Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus, e Timóteo’? É mais glorioso estar atado por Ele, que ser libertados e soltos por outros”.2
“Torno a enviá-lo para junto de ti”
  Onésimo passou a servir a São Paulo na prisão, pois foi por suas mãos que ele alcançou a verdadeira liberdade. Aquele mesmo que recusara servir a seu dono segundo o direito da época, dedica-se agora com total diligência a auxiliar Paulo. É o que o Apóstolo dirá em sua carta, jogando com o significado grego do nome Onésimo (útil, proveitoso): “Ele poderá ter sido de pouca serventia para ti, mas agora será muito útil tanto a ti como a mim” (Fm 1, 11).
  Em seguida, São Paulo mostra como ele próprio trata quem voluntariamente se fez escravo de Deus por suas mãos: “Torno a enviá-lo para junto de ti, e é como se fora o meu próprio coração” (Fm 1, 12). A palavra grega utilizada pelo Apóstolo (σπλάγχνα – entranhas) indica o que há de mais interno no ser humano; é, portanto, mais comovente que “coração”, e ressalta o grande valor que Onésimo alcançou com este novo tipo de escravidão.
  Em seguida o Apóstolo manifesta em sua epístola o desejo de conservar Onésimo consigo, para que este o servisse em nome de Filêmon, o qual também era seu devedor na ordem espiritual. Mas o devolvia a seu amo sem constrangimentos.
Consequências dessa paternidade espiritual
  Esta carta, que bem poderia ser qualificada como a da teologia da escravidão, mostra o profundo vínculo estabelecido entre o discípulo e seu pai espiritual e ainda menciona uma comovente consequência deste relacionamento.
Ao devolver Onésimo a Filêmon, o santo Apóstolo se tornou fiador da dívida desse novo escravo de Deus: “Se me tens por amigo, recebe-o como a mim. Se ele te causou qualquer prejuízo ou está devendo alguma coisa, lança isso em minha conta. Eu, Paulo, escrevo de próprio punho: Eu pagarei” (Fm 1, 17-19a).
  Essa mesma paternidade espiritual concede também ao Apóstolo direitos sobre Filêmon: “Para não te dizer que tu mesmo te deves inteiramente a mim!” (Fm 1, 19b). Paulo, porém, não recorre à sua autoridade para dar-lhe uma ordem (cf. Fm 1, 8), preferindo fazer um apelo à caridade do discípulo: “recebe-o como a mim”.
  Como se não bastasse obter o perdão para um escravo fugitivo, sujeito a severos castigos segundo as leis romanas, o Santo assumiu suas dívidas, escrevendo de próprio punho: lance na minha conta, eu pagarei. Por certo, o valor de uma missiva do Apóstolo das Gentes supera de muito o de qualquer dívida ou dano material porventura causado pela ausência de Onésimo.
Caminho seguro para alcançar a santidade
  Na Carta a Filêmon, o Apóstolo nos propõe escolher entre duas escravidões: a escravidão aos vícios e pecados ou a escravidão voluntária a Deus, que nos liberta das amarras do demônio. Nesta matéria, não há terceira opção.
  A quem quiser viver segundo os preceitos do mundo parecerá absurda a proposta do Apóstolo. Mas a livre escravidão espiritual assumida por São Paulo é o caminho mais seguro para alcançar a santidade. Por ela, a pessoa visa esvaziar-se de todos os interesses particulares para melhor servir ao Criador, Supremo Juiz a quem deverão todos prestar contas de cada ato e de cada pensamento!
  Onésimo fez a melhor escolha, imitando Aquela que foi eleita para ser a Mãe do Redentor: “Eis aqui a escrava do Senhor. Faça-se em Mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38).
Uma bela e antiga tradição
  A carta de Santo Inácio de Antioquia aos efésios, datada do ano 107 d.C., dá origem a uma bela tradição segundo a qual Onésimo teria sido Bispo de Éfeso: “Em nome de Deus, recebi a vossa comunidade na pessoa de Onésimo, homem de indizível amor, vosso Bispo segundo a carne. Eu vos peço que o ameis em Jesus Cristo, e que vos torneis semelhantes a ele. Seja bendito Aquele que vos concedeu a graça e vos considerou dignos de merecer tal Bispo”.3
  De acordo com essas palavras, deparamo-nos com um fato inteiramente incomum para os costumes da época. Algumas dezenas de anos depois do episódio narrado, aquele que se fez voluntariamente escravo de Deus pelas mãos de São Paulo teria recebido a alta dignidade episcopal, cujo prestígio muitos procuram fazendo-se escravos do mundo…
  Alguns estudiosos ainda atribuem a Santo Onésimo o mérito de reunir em Éfeso as cartas de São Paulo, facilitando assim a formação do cânon paulino das Sagradas Escrituras.
  A escravidão espiritual ensinada a Onésimo pelo Apóstolo mudou sua vida para sempre. E o mesmo pode ocorrer com todos os que lerem essas magníficas linhas escritas de próprio punho por São Paulo, sob inspiração do Espírito Santo. Hoje, tal tarefa se encontra muito facilitada. Pois, tendo a teologia católica explicitado ao longo dos séculos o papel único de Maria Santíssima na santificação das almas, podemos não apenas recorrer ao seu auxílio infalível como filhos, mas nos tornar seus escravos de amor, segundo nos ensinou o grande doutor mariano, São Luís Maria Grignion de Montfort.


Nenhum comentário: