sábado, 1 de abril de 2017

São Cristóvão

Antes de seu batismo chamava-se “Reprovado”, depois recebeu o nome de Cristóvão, porque ele levou o Cristo de quatro formas: sobre seus ombros, para o fazer passar pelo rio; em seu corpo, pela mortificação; em seu coração pela devoção e sobre seus lábios pela confissão e pregação.
Sua festa é comemorada no dia 25 de julho e seu martírio deu-se no ano de 254, na cidade de Lícia.
Cristóvão era um homem gigantesco e de um terrível aspecto.
Um dia, em que ele se encontrava junto de um rei, lhe veio ao espírito o desejo de procurar o maior príncipe do mundo e de permanecer junto dele a seu serviço.
Ele se apresenta a um rei muito poderoso que tinha em toda parte a reputação de não ter ninguém que o igualasse em grandeza. Vendo-o, o rei o acolheu com bondade e o fez ficar em sua corte.
Ora, certo dia um bulhão cantava em presença do rei uma canção onde freqüentemente se repetia o nome do diabo; o rei, que era cristão, fazia um sinal da cruz, cada vez que ouvia pronunciar esse horrível nome. Cristóvão notando isso, ficou muito impressionado por esta ação e do significado de tal ato.
Interrogou o rei sobre isto, mas este não queria lhe responder, furioso, disse Cristóvão:
- Se vós não me disserdes, eu não ficarei mais convosco!
O rei, constrangido e até com um certo medo, disse:
-- Eu me muno deste sinal, diante de algum diabo que eu ouço nomear, no temor de que ele tome poder sobre mim e me prejudique.
Cristóvão lhe respondeu:
- Se vós temeis o diabo, é ele, evidentemente, maior e mais poderoso do que vós! A prova é que vós tendes um terrível medo dele. Eu estou, portanto, bem enganado em meu intento, eu pensava ter encontrado o maior e mais poderoso senhor do mundo; mas agora eu vos dou adeus, pois eu quero procurar o próprio diabo e o tomar por mestre e fazer-me seu servidor!
O rei tentou de todas as maneiras dissuadi-lo de tal intento, mas Cristóvão, ou melhor, o Reprovado, pôs termo à discussão com um grito:
- Já estou decidido, é assim que vou fazer!
Reprovado deixa o rei e começa a procurar o diabo.

Certo dia, quando andava no meio de um deserto, ele viu uma enorme multidão de soldados, do qual um, que tinha um aspecto feroz e terrível, veio em sua direção e lhe perguntou para onde ia.
Reprovado respondeu:
- Estou procurando o senhor diabo, a fim de o tomar por mestre e senhor.
-- Pois bem, eu sou aquele que procuras!
 O diabo foge da Cruz
Muito contente, Reprovado o seguiu para ser seu servidor por todo o sempre e o tomou por seu senhor.
Ora, como eles marchavam juntos, eles passaram por uma cruz colocada sobre um caminho público. Logo que o diabo a percebeu, ficou apavorado, fugiu a toda pressa e deixando a estrada conduziu Reprovado por um caminho secundário e acidentado; reconduzindo-o depois para a estrada.
O gigante ficou impressionado pelo que viu, e perguntou porque ele tinha manifestado tanto medo quando deixou estrada, para fazer um desvio e o reconduzir em seguida ao mesmo caminho.
O diabo não quis dar o motivo, Reprovado lhe diz:
- Se vós não me dizeis, eu vos deixo neste instante!
O diabo foi forçado a lhe dizer:
- Um Homem que se chama Cristo foi pregado à cruz; quando eu vejo a imagem de sua cruz, eu entro em tal pânico, que fujo apavorado!
- Portanto este Cristo é maior e mais poderoso do que tu. Uma vez que tu tens um tão grande medo vendo a imagem de sua cruz! Eu trabalhei, portanto, em vão, e não encontrei ainda o maior príncipe do mundo. Então, adeus, eu quero te deixar e procurar este Cristo.
* Á procura de Cristo
Durante muito tempo ele procura alguém que lhe desse as informações sobre o Cristo.
Um dia, encontrou um respeitável eremita e lhe perguntou:
-- Você sabe quem é Cristo?
— Mas como não hei de saber! Jesus Cristo... — e o piedoso eremita instruiu cuidadosamente sobre a fé.
Encantado com todas as explicações daquele santo homem, Reprovado, disse:
-- Eu quero servir, então, a este poderoso rei!
-- Este rei que tu desejas servir quer a tua submissão! Mas, será preciso que tu jejues frequentemente.
-- Que Ele me peça outra coisa, porque me é absolutamente impossível fazer isto. -- disse o gigante, já pensando na hora de alimentar-se.
-- Será preciso ainda, -- retomou o eremita -- lhe dirigir orações.
-- Eu não sei o que é isto, e não posso me submeter a esta exigência.
O eremita lhe diz:
-- Tu conheces tal rio onde muitos dos que lá passam, estão em perigo de perder a vida?
-- Sim. eu o conheço.
-- Como tu tens uma alta estatura e és forte e robusto, se tu ficasses junto deste rio, e passasses todos aqueles que para ali forem, tu farias alguma coisa muito agradável ao rei Jesus Cristo, que tanto desejas servir, e eu espero que ele se manifeste a ti neste lugar.
Reprovado, que já começava a se chamar Cristóvão, lhe diz:
-- Sim, eu bem posso fazer este trabalho, e eu prometo que o farei por Ele.
Foi então até o rio indicado pelo eremita, e ali construiu um pequeno alojamento. Ele trazia à mão, no lugar de bastão, uma vara com a qual se mantinha dentro da água. O robusto gigante passava sem descanso todos os viajantes.
* Um menino
Passaram-se muitos dias, quando, urna vez ele ouviu a voz de uma criança que o chamava dizendo:
-- Cristóvão, venha para fora e me passe.
Cristóvão logo se levantou, mas não encontrou ninguém. Tendo voltado para sua casa ouviu a mesma voz que o chamava. Ele novamente correu para fora e de novo não encontrou ninguém.
Uma terceira vez ele foi chamado como anteriormente, saiu e encontrou na margem do rio urna criança que lhe pediu insistentemente sua ajuda. Então, Cristóvão levantou a criança sobre seus ombros, tomou seu bastão e entrou no riopara o atravessar. E eis que a água do rio começa a se encher pouco a pouco e o menino começava a lhe pesar cada vez mais, como uma massa de chumbo: ele avançava e o rio continuava a se encher: o menino pesava cada vez mais aos ombros do possante Cristóvão, o peso já era intolerável, de modo que ele se achava em grandes angústias e temia perecer.
Por fim, escapou com enorme dificuldade; e quando transpôs o rio, depositou o menino na margem e lhe disse:
— Menino, tu me expusestes a um grande perigo e me pesaste tanto que se eu tivesse tido o mundo inteiro sobre mim, eu não sei se teria tido mais peso para levar!
O Menino lhe respondeu:
-- Não te espante Cristóvão, tu não tiveste somente o mundo todo sobre ti, mas levaste sobre os ombros Aquele que criou o mundo! Pois “Eu Sou o Cristo” teu Rei, a quem tens servido, e para te provar que digo a verdade, quando tu tiver repassado, enfie teu bastão na terra em frente a tua casa, e de manhã verás que ele floresceu e deu frutos.
No mesmo instante desapareceu o Menino Jesus, e Cristóvão ficou maravilhado.
Tendo chegado à porta de sua casa, Cristóvão enfiou seu bastão na terra. Pela manhã, ao se levantar, a primeira coisa que fez foi ver o bastão e, admirado, viu que em sua vara nascera folhas e tâmaras como numa palmeira. Procurou o santo eremita e contou-lhe tudo o que havia acontecido. Entre lágrimas pediu o batismo.
Cristóvão vai para Lícia
Em seguida, cheio do Espírito Santo, Cristóvão foi a Samos, cidade de Lícia, onde, não compreendendo a língua falada por seus habitantes, pediu ao Senhor que lhe desse inteligência. Enquanto permanecia em oração, os que o viam tomaram-no por louco, e o deixaram.
Cristóvão tendo obtido o que pedia, foi até o lugar onde os cristãos sofriam o rnartírio e destemidamente a todos consolava e animava em meio aos tormentos.
Uni soldado romano vendo que ele ajudava aos cristãos, bateu-lhe na face.
Cristóvão, olhando-o firmemente, disse:
-- Se eu não fosse cristão, eu me vingaria imediatamente desta injúria!
Depois empunhando seu bastão, crava-o na terra e pede ao Senhor que o fizesse reverdecer para que com este milagre convertesse o povo.
Para espanto de todos isto se fez no mesmo instante e oito mil pessoas se converteram. Sabendo disso, o governador romano enviou duzentos soldados com ordem de trazerem Cristóvão diante dele.
Milagres e conversões operadas por São Cristóvão
Quando chegaram no local onde estava, encontraram-no em oração e, por isso, os soldados temeram de lhe notificar esta ordem: o governador enviou mais duzentos homens, que também se colocaram a rezar com Cristóvão.
Ele se levanta e lhes diz:
-- O que vós procurais?
Quando viram sua face disseram timidannte:
-- O rei nos enviou para te prender e te conduzir a ele.
-- Se eu quisesse, vós não poderíeis me levar nem amarrado, nem livre.
-- Então, se tu não queres, vá livremente para onde bem queira e nós diremos ao rei que não te encontrarnos.
-- Não, não será assim, eu irei convosco.
Então, ele os converteu à fé de Cristo. Deixou que atassem suas mãos atrás das costas e foi conduzido ao governador neste estado.
A sua vista, o governador ficou tão assustado que caiu repentinamente de seu assento. Levantado logo por seus servidores, lhe pergunta seu nome e sua pátria.
Cristóvão lhe respondeu:
-- Antes de meu batismo, eu me chamava Reprovado, mas hoje tenho o nome de Cristóvão.
O governador lhe disse:
-- Tu te deste um nome tolo, tomando este do Cristo Crucificado, que não fez nenhum bem e que não poderá te fazer nada. Agora, portanto, mau cananeu, por que não sacrificas a nossos deuses?
Cristóvão lhe disse:
-- E corn razão que te chamas Dagnus. (que signjfica condenado ou perigo), porque tu és a morte do mundo, o associado do diabo: e teus deuses são a obra da mão dos homens!
O governador diz enraivecido:
-- Tu foste educado no meio dos animais ferozes: tu não podes, portanto, proferir senão palavras selvagens e coisas desconhecidas dos homens. Agora, se tu queres sacrificar, tu obterás de mim grandes honras, senão, tu perecerás nos suplícios.
 Castidade heroica de São Cristóvão
E como o santo não quis sacrificar, Dagnos o fez meter na prisão; quanto aos soldados que tinham sido enviados a Cristóvão ele os fez decapitar pelo nome de Jesus Cristo. Em seguida, fez trancar com Cristóvão na prisão duas mulheres públicas muito belas, da qual uma se chamava Nice e outra Aquiline, prometendo-lhes grandes recompensas se o induzissem a pecar.
A vista de tão terrível prova, Cristóvão se pôs em oração, mas como estas mulheres o atormentavam, ele se levanta e lhes diz:
-- Que pretendes e por qual motivo vos introduzistes aqui?
Então, apavoradas pelo brilho de sua face disseram:
— Tende piedade de nós, santo homem, a fim de que possamos crer no Deus que vós pregais.
 O martírio de Nice e Aquiline
O governador informado disso, mandou chamar estas mulheres e lhes disse:
— Vós também acreditastes neste homem!!! Eu juro pelos deuses que se vós não sacrificardes, vós perecereis de morte trágica.
Elas responderam:
- Se tu queres que nós sacrifiquemos ordene que se limpe os lugares e que todo mundo se reúna no templo.
Quando isto foi feito e que elas foram introduzidas no templo, elas desataram suas cintas, colocaram-nas no pescoço dos ídolos, derrubaram-nos e  quebraram-nos, dizendo aos assistentes:
- Ide chamar os médicos para curar vossos deuses!
Então por ordem do governador. Aquiline é enforcada; depois se atou a seus pés uma enorme pedra que deslocou todos seus membros. Quando ela entregou sua alma ao Senhor, Nice, sua irmã, foi lançada no fogo. Milagrosamente o fogo não lhe fez mal algum. O governador ordenou, então, que fosse decapitada.
Martírio de São Cristóvão
Depois disso, Cristóvão foi levado em presença do governador que o fez chicotear com varas de ferro: um enorme capacete de ferro avermelhado no fogo foi colocado em sua cabeça: o governador mandou preparar um banco de ferro e ordenou que o amarrassem e que se ponha fogo, alimentado com piche. Mas o banco se derrete como cera, e o santo sai são e salvo.
Ataram-no a um tronco e o governador ordenou que quatrocentos soldados o cravassem com flechas. Mas todas elas ficaram suspensas no ar e nenhuma o pode tocar.
Ora, o governador, pensando que ele tinha sido morto pelos arqueiros, pôs-se a insultá-lo. Imediatamente uma flecha se destaca do ar, vai até onde ele está e fere seu olho, cegando-o.
Cristóvão, entretanto, diz:
— É amanhã que eu devo consumar meu sacrifício. Tu farás, tirano, lama com meu sangue, a esfregarás em teu olho e serás curado.
No dia seguinte, Dagnus, cuja alma, assim corno seu olho, estava cega, ordena conduzirem-no ao lugar onde ele devia ser decapitado. Cristóvão faz sua oração, e por fim, um carrasco corta-lhe a cabeça.
 Conversão de Dagnus
Dagnus, então, curioso pelas palavras que Cristóvão havia proferido no dia anterior, tomou um pouco de seu sangue misturou um pouco de terra e colocando sobre seu olho foi curado no mesmo instante.
Mas um milagre maior se produziu! Curou-se de sua cegueira espiritual. Dagnus converteu-se e fez um édito por onde qualquer um que blasfemasse contra Deus e São Cristóvão seria imediatamente punido.
Elogio de Saulo Ambrósio a São Cristóvão
Santo Ambrósio elogia São Cristóvão com estas palavras:
Vós levastes, Senhor, São Cristóvão a um tal grau de virtude, e Vós destes uma tal graça à sua palavra, que por ele Vós arrancastes do erro do paganismo, para os conduzir à crença cristã, quarenta e oito mil homens. Nice e Aquiline que desde muito tempo se entregavam publicamente à prostituição, ele as levou a tomar os hábitos da castidade e lhes ensinou a receberem a coroa do martírio. Ainda que atado sobre um banco de ferro no meio duma fogueira ardente, ele não terne ser queimado por este fogo, e durante um dia inteiro ele não pode ser transpassado pelas flechas de toda urna soldadesca. Há mais, uma destas flechas fura o olho de um dos carrascos e o sangue do Bem-aventurado mártir misturado com a terra lhe devolve a vista, e o tirando da cegueira do corpo, esclarece seu espírito: pois ele obteve sua graça junto a Vós e rezou suplicando que distanciasse as doenças e as enfermidades.”

Jacques de Voragíne- La Légende dorée

Nenhum comentário: