quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

São Luís Maria Grignion de Monfort

São Luís Maria Grignion nasceu em 31 de janeiro de 1673, na cidade bretã de Montfort-La-Cane. Em 1685 ingressou no colégio dos jesuítas, em Rennes, onde cursou humanidades. Sentindo-se chamado ao sacerdócio, partiu para a capital francesa, sendo admitido em 1695 no Seminário de Saint-Sulpice. Cinco anos depois, em junho de 1700, foi ordenado presbítero e deu início ao seu intenso apostolado de missionário, pregando de modo especial o reafervoramento do espírito do cristianismo pela renovação das promessas do Batismo. O Papa Clemente XI concedeu-lhe o título de missionário apostólico, e nessa qualidade percorreu toda a França, reacendendo nas almas as mechas fumegantes da Fé.
Segundo o Pe. Faber, era ao mesmo tempo perseguido e venerado em toda parte. Suas pregações, seus escritos, sua conversação eram impregnados de profecias e de visões antecipadas das últimas eras da Igreja. Qual novo São Vicente Ferrer, adiantou-se como se estivesse nos dias precursores do juízo final, e proclama-se portador, da parte de Deus, de uma mensagem autêntica: mais honra, conhecimento mais vasto, amor mais ardente a Maria Santíssima, e anuncia a união íntima que Ela terá com o segundo advento de seu Filho.
Estabelecendo-se em Saint Laurent-sur-Sèvre, fundou duas Congregações religiosas, uma de homens (Missionários da Companhia de Maria) e outra de mulheres (As Filhas da Sabedoria). Escreveu diversas obras que têm exercido notável influência na piedade católica: Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, Carta Circular aos Amigos da Cruz, O segredo admirável do Santo Rosário para se converter e se salvar, O Segredo de Maria, Oração Abrasada (Prece pedindo a Deus missionários para a sua Companhia de Maria), entre outras.
São Luís Grignion faleceu no dia 28 de abril de 1716, durante a pregação de uma missão em Saint-Laurent-sur-Sévre. Tinha 43 anos de idade e apenas 16 de sacerdócio.
Em 20 de julho de 1947, o Sumo Pontífice Pio XII finalmente inscreveu no catálogo dos santos esse grande missionário e apóstolo da Virgem Mãe de Deus.
(Cf. São Luís Maria Grignion de Montfort, Obras completas, Éditions du Seuil, Paris, 1966, pp. VII e ss.; Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, Vozes, Petrópolis, 1961, pp. 9 e ss.)

Como condição de vitória, sem  se desprezar nem de leve as  providências  concretas,  devemos  contar  essencialmente  com  os recursos sobrenaturais. A História demonstra que não há inimigos  que vençam um país cristão que possua três devoções: ao Santíssimo Sacramento, a Nossa Senhora e ao Papa. Investigue-se bem a queda de nações aparentemente muito fervorosas em sua adesão à Igreja: alguma broca secreta a minava em uma dessas três virtudes-chave.
A  vitória,  pois,  depende  de  nós.  Tenhamos  em  dia  nossa  consciência, estejamos tranquilos em Deus, e  venceremos.
O livro dos tempos novos
  dois séculos que está pronta a bomba atômica do Catolicismo. Quando  ela explodir de fato, compreender-se-á toda a plenitude de sentido da  palavra da Escritura: Non est qui se abscondat a calore ejus1. Esta  bomba  se  chama  com  um  nome muito doce. É que as bombas  da Igreja são bombas de Mãe. Chama-se O Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem. Livrinho  de pouco mais de cem páginas. Nele, cada palavra, cada letra é um tesouro. Este o livro dos tempos novos  que hão de vir. (...)
Por meio de Maria, unir-se a Deus
São Luís Grignion  de  Montfort  expõe em sua obra, no que consiste  a perfeita devoção dos fiéis a Nossa  Senhora, a escravidão de amor dos  verdadeiros  católicos  à  Rainha  do  Céu. Ele nos mostra o papel fundamental da Mãe de Deus no Corpo Místico de Cristo, e na vida espiritual de cada cristão. Ele nos ensina  a viver nossa vida espiritual em consonância com essas verdades. E nos  inicia em um processo tão sublime,  tão doce, tão absolutamente maravilhoso e perfeito, de nos unirmos  a Maria Santíssima, que nada há na  literatura cristã de todos os séculos  que o exceda neste ponto.
Esta  devoção,  diz  Grignion  de  Montfort, unindo o mundo a Nossa Senhora, uni-lo-á a Deus. No dia em que  os  homens  conhecerem,  apreciarem,  viverem essa devoção, nesse dia Nossa  Senhora reinará em todos os corações,  e a face da Terra será renovada.
De que forma? Grignion de Montfort esclarece que seu livro suscitaria  mil oposições, seria caluniado, escondido, negado; que sua doutrina seria  difamada, ocultada, perseguida; que  ela daria automaticamente uma antipatia profunda nos que não têm o espírito da Igreja. Mas que um dia viria  em que os homens por fim compreenderiam sua obra. Nesse dia, escolhido por Deus, a restauração do Reino de Cristo estaria assegurada.

Nenhum comentário: